Consórcio europeu revê projeto de Belo Monte

O consórcio de fornecedores de turbinas de hidrelétricas formado pelas empresas europeias Alstom, Andritz e Voith também está tendo que renegociar certos aspectos técnicos da turbina que vai ser fornecida para Belo Monte. O consórcio Norte Energia pediu que fossem feitas algumas alterações no projeto das máquinas que podem significar um aumento de custo para os fornecedores.

A principal diferença está no diâmetro das engrenagens da turbina. A Eletrobras pediu para que o diâmetro fosse maior, pois entende que geraria instabilidade na turbina com a proposição feita pelas empresas. Isso gera custo de algumas dezenas de milhões a mais em cada turbina. O problema é que o contrato assinado entre as duas empresas não tinha estas especificidades previstas. Basicamente, pelo contrato assinado, os fornecedores garantem performance e depois apresentam a turbina que entendem necessária para garantir a produtividade.

Por enquanto, os fornecedores e o Norte Energia estão apenas negociando a parte técnica sem alterar valores de contrato e tentam chegar a bom termo. Segundo fonte próxima à empresa, entretanto, o consórcio fornecedor terá em princípio uma perda. A usina de Belo Monte terá ainda como fornecedor a empresa argentina Impsa, que desenvolve projeto à parte do consórcio europeu.

O fornecimento de equipamentos para Belo Monte vai custar cerca de R$ 6 bilhões. A concessionária Norte Energia não quis comentar o assunto e informou que apenas detalhes técnicos estão sendo negociados.

Fonte: Valor Econômico

Deixe um comentário