Nível do Rio Acre sobe e continua desabrigando em Rio Branco

O nível do Rio Acre alcançou a marca 14,64 metros na manhã de ontem e voltou a desabrigar mais famílias em Rio Branco. Estão sendo atingidos principalmente os bairros Baixada da Habitasa, Ayrton Senna, Taquari e Seis de Agosto. As famílias que tiveram suas casas alagadas e não contam com outro local para abrigar-se estão sendo levadas para o parque de exposições da Expoacre, na AC-40. Ali, 43 famílias (155 pessoas) estavam morando temporariamente até a manhã de ontem.

No galpão Selo, no Bairro da Paz, 20 famílias ainda permanecem abrigadas após o transbordamento do igarapé que corta a região. Todas contam com assistência efetiva da Prefeitura de Rio Branco através da Defesa Civil e demais secretarias. O trabalho de apoio é coordenado pela Secretaria Municipal de Cidadania, Trabalho e Assistência Social (Semcas). “Estamos prestando toda assistência necessária às famílias”, afirmou Fábio Fabrício, da Semcas.

Nível do Rio Acre subiu 13 centímetros de quarta para ontem

Mas não são somente pessoas que são acolhidas no parque da Expoacre. A Coordenação de Zoonoses da PMRB instalou um canil no local, onde atualmente são mantidos 10 cachorros, três gatos e uma galinha –todos igualmente vítimas da enchente. A Prefeitura trata os animais com ração de qualidade e veterinários cuidam da saúde desses bichos, que são vacinados tão logo dão entrada no canil.

O rio Acre subiu 13 centímetros de quarta para quinta-feira, mas o Riozinho do Rôla, seu mais importante tributário, baixou 13 centímetros também. Não havia previsão de chuva forte nas cabeceiras e o volume de água naquela região segue ficando menor. Em Assis Brasil, o rio Acre baixou 70 centímetros. Em Brasiléia a redução foi de 2,54 metros e Xapuri, a redução alcançou 66 centímetros. Com esse conjunto de informações é possível prever tendência de vazante em Rio Branco. De outro lado, a Defesa Civil está atenta à dados históricos que podem indicar aumento do volume do manancial nos próximos dias.

Enquanto isso, a atenção é efetiva às famílias nos abrigos. Elas recebem três refeições ao dia, contam com serviço médico permanente (o atendimento é realizado em um posto fixo. Se necessário, o abrigado é levado para a unidade de saúde a partir de agendamento prioritário), a Polícia Militar faz a segurança do local e há um acompanhamento constante das crianças e menores, os quais participam de atividades lúdicas e de lazer. Agentes de saúde distribuem nos boxes hipoclorito de sódio para purificação da água, preservativos sexuais e prestam informações de higiene pessoal e coletiva.

Fonte: Página 20

Deixe um comentário