BR-174 desafia o clima chuvoso da Amazônia

BR-174 liga a Amazônia ao Caribe e cruza a linha do Equador com sol e chuva

A integração da Amazônia brasileira com o Caribe passa (e muitas vezes para) pela BR-174. A rodovia percorre 974 quilômetros de Manaus à fronteira do Brasil com a Venezuela, em Roraima; e tem no horizonte o potencial de tornar-se um corredor estratégico entre o Brasil e o vizinho postulante ao Mercosul.

Uma obra do PAC, orçada em R$ 540 milhões, está redimensionando a via para suportar por pelo menos uma década as características de clima, solo e tráfego da região. Pavimentada há 15 anos, a estrada quase nunca esteve em bom estado de ponta a ponta.

A particularidade da BR-174 é ser uma estrada longitudinal, que cruza a linha do Equador. Além da sazonalidade amazônica, a rodovia está ao mesmo tempo em estações climáticas opostas e tem trechos em uma zona de transição. Em junho do ano passado, por exemplo, a maior cheia já registrada em Roraima deixou a rodovia 1,8 metro abaixo d”água, na cidade de Caracaraí, no Hemisfério Norte. Ao mesmo tempo, as obras de restauração prosseguiam ao Sul do Equador, com a pista seca.

Assim como em toda a região, as obras na BR-174 são realizadas com um olho no céu. Os prazos contratuais, a fiscalização e a execução do projeto levam em conta o movimento das águas. “As empresas se programam para parar ou reduzir as obras no período de chuvas”, explica Emerson de Paula Oliveira, chefe do setor de estudos técnicos, projetos e topografia do Departamento Estadual de Infraestrutura e Trânsito (Deit) de Roraima. O problema é que nada garante que haverá sol suficiente no período de seca.

Na avaliação de Emerson Oliveira, o clima é responsável por 70% dos atrasos da obra, que deveria estar pronta desde março de 2012. A conclusão deve acontecer pelo menos um ano depois, apesar de quase toda estrada já ter recebido as primeiras camadas de pavimento.

Por: Timóteo Camargo
Fonte:  Valor Econômico

Deixe um comentário

2 comentários em “BR-174 desafia o clima chuvoso da Amazônia

  • 10 de abril de 2016 em 20:10
    Permalink

    E ate agora seguimos com o mesmo problema, infelizmente ninguém faz nada pelas nossas pistas!

  • 11 de setembro de 2012 em 15:28
    Permalink

    de manauas a caracarai nao tem uma maquina na pista trexos des do ano pasado sen asfauto ainda continua porque este descaso com depois de nova colina e sobre a ponte do anaua entre martais pereira e novo paraiso e uma pouca vergonha e verao e nada

Fechado para comentários.