Documentarista Nilson Sabóia apresenta filme sobre os índios isolados do Acre

O realizador indígena Nilson Sabóia Kaxinawa exibe o seu documentário sobre os índios isolados do Acre para os alunos do Colégio Estadual Armando Nogueira (Cean), às 10 e 16 horas, na quarta-feira, 25. Nuku Inu Shinipabu Burã, em português “Nós e os Brabos”, mostra a história desse povo, que atualmente reside no baixo curso do Rio Humaitá, fronteira do Brasil com o Peru, na Terra Indígena (TI) Kaxinawá.

Os isolados foram obrigados a procurar outro lugar para viver por causa do narcotráfico na área fronteiriça, da pressão dos madeireiros peruanos e da exploração de petróleo e de gás. Nilson Sabóia presenciou todo o processo de chegada dos índios porque também mora próximo a região que hoje está ocupada, na aldeia São Vicente com os Huni Kui.

“Filmamos uma viagem com o antropólogo Terri Aquino em torno da TI do Humaitá, pelo Rio Muru e no Rio Jiboiaçu, para localizar os índios isolados. Fomos com uma equipe registrar os vestígios deles (como tapiri, fogo, restos de comidas, flechas e rastros) e acabamos sendo atacados. Eu filmei todos os vestígios, está tudo no documentário”, relatou em entrevista concedida à Comissão Pró-Índio do Acre (CPI/AC).

Para ele, o principal objetivo do filme é de registrar, pesquisar e divulgar o modo de vida dos índios brabos. “Tanto dentro das aldeias como também para o mundo de fora”, comentou. Na hora da edição, o apoio veio da cineasta Mari Corrêa do Instituto Catitu, que desde o começo da década de 90 atua na formação audiovisual dentro das aldeias.

“Ao mesmo tempo que são espelhos, os filmes são também um instrumento de diálogo com o mundo exterior, indígena ou não. No processo de formação, eles aprendem a fazer filmes e a se filmarem passando de objetos de observação a protagonistas, a sujeitos do discurso”, escreveu ao jornal Página 20.

A atividade faz parte da programação “Abril no Acre Indígena” da Comissão Pró-Índio do Acre (CPI/AC) e governo do Estado por meio da Fundação Elias Mansour (FEM).

Por: André Gonzaga
Fonte: Agência de Notícias do Acre 

Deixe um comentário