Índios surpreendem com longa lista de compensações

Amarok, Hilux, L 200, F 4.000, caminhões, carros de passeio, ônibus, motos, barcos, contas gordas no banco e mais 1,3 mil cabeças de gado – de preferência, 500 delas da raça Nelore. O Valor teve acesso às listas de pedidos que as tribos indígenas apresentaram esta semana à diretoria do consórcio Norte Energia para liberar a construção da hidrelétrica de Belo Monte. As reivindicações dão uma boa dimensão do problema que o governo e os empreendedores da usina terão de administrar para convencer os índios que, agora, está na hora de passar a cuidar de suas roças de milho e mandioca, da pesca, das crenças e do artesanato.

O que os índios das 12 terras indígenas localizadas na área de influência de Belo Monte, no Xingu, apresentaram à Norte Energia é uma relação de compras que tem mais de 500 anos de distância daquilo que os empresários e o governo pretendem entregar às aldeias da região, como forma de minimizar os impactos causados pela usina.

O Valor fez uma compilação dos principais pedidos. Somadas as listas, são nada menos que 40 picapes, com o detalhe de que todas devem ter tração nas quatro rodas, direção hidráulica e ar-condicionado. Para lidar com a plantação, as tribos querem 23 tratores de diferentes modelos e mais 20 barcos com cobertura e motor para poder transitar pelo Xingu. Ainda no quesito transporte, enumeram a necessidade de 12 micro-ônibus com capacidade de 20 pessoas em casa, nove ambulâncias e três motos. Para receber aeronaves, três aldeias exigem a construção de pistas de pouso asfaltadas. Todas cobram estradas devidamente pavimentar até Altamira, principal município da região.

 

Na moradia, nada de ocas ou palhoça. Os índios pedem 303 casas de alvenaria, todas com banheiro interno, infraestrutura de saneamento e energia elétrica, que deve ser gratuita enquanto durar o empreendimento. A garantia de comunicação entre as aldeias deve ser feita com a instalação de 12 antenas de telefonia celular e internet sem fio, tudo para suportar centenas de computadores portáteis e de mesa que também constam na lista.

A pecuária não ficou de fora da lista. As aldeias pleiteiam quase 1,3 mil cabeças de gado e especificam que 770 delas devem ser de gado leiteiro e 520 da raça Nelore. O lazer também faz parte da relação. Na aldeia Mrotidjam, da terra indígena Xikrin do Bacajá, por exemplo, os índios querem a reforma do campo de futebol gramado, com instalação de iluminação e traves novas no gol, além de 30 freezers.

 

Finalmente, cobra-se a abertura de uma série de contas bancárias em nome de cada aldeia. Os pedidos de depósito variam entre R$ 3 milhões e R$ 5 milhões para cada uma delas. Em algumas tribos, é exigido o pagamento de três ou quatro salários mínimos por mês para cada família indígena do local, valor a ser pago enquanto a água de Belo Monte for convertida em energia.

Em entrevista ao Valor, Sheyla Yakarepi Juruna, líder da aldeia Boa Vista KM 17, localiza na região, diz que todos os pedidos são justos e que é até pouco em face dos prejuízos que o empreendimento irá causar para o seu povo. “Até hoje o que fizeram foi dar migalhas para o nosso povo. O consórcio e o governo prometeram a ampliação da demarcação de nossa área, mas não fizeram nada. Ninguém está cumprindo com as condicionantes que assumiu”, comenta.

Perguntada sobre a necessidade de tantos carros para transporte, Yakarepi Juruna diz que será a única forma de os índios se locomoveram após a implantação da usina. “O rio vai ficar difícil de navegar em muita parte. É claro que a gente precisa dos carros”, argumenta.

A líder da aldeia Boa Vista KM 17 diz que irá se juntar ao grupo indígena que há seis dias paralisa as obras do canteiro Pimental, uma das frentes de trabalho de Belo Monte. “Tem mais índio chegando. Nós vamos unir o nosso povo. Temos que ser ouvidos.”

Pelos números da Fundação Nacional do Índio (Funai), há cerca de 10 mil índios na região de Altamira que serão atingidos pela hidrelétrica. Nos cálculos da Norte Energia, porém, esse contingente é de 5.500 índios. Amanhã, deve ocorrer uma reunião em Altamira com representantes da Norte Energia e da Casa Civil, com a propósito de por um ponto final no conflito.

“Essa situação nada mais é que a colheita daquilo que o próprio governo plantou”, diz Cleber Buzatto, secretário-executivo do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), organização vinculada à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). “Foi o governo que cultivou a dependência do índio. A Funai assinou embaixo e deu anuência para Belo Monte contrariando pareceres dos próprios técnicos da fundação. Agora, não sabe o que fazer para resolver o problema.”

O Valor procurou o diretor do Departamento de Promoção ao Desenvolvimento Sustentável da Funai, Aloysio Guapindaia, para comentar o assunto, mas ele não quis se pronunciar.

A Norte Energia informou que não vai atender as listas de pedidos apresentadas pelos índios. O consórcio alega que trabalha nos detalhes de seu Plano Básico Ambiental (PBA) indígena, o qual foi acertado com a Funai e que, segundo o consórcio, foi objeto de audiências públicas em cada uma das 28 aldeias que habitam a região. Os índios, no entanto, insistem que o PBA não foi discutido e que desconhecem as propostas da empresa. Segundo a empresa, o PBA agrupa um conjunto de 320 ações divididas em dez programas de apoio a serem executados durante cinco anos. O Valor apurou que as medidas devem custar cerca de R$ 250 milhões à Norte Energia.

A empresa garante que o plano passa a valer a partir do mês que vem. Trata-se, basicamente, de um “conjunto de medidas de apoio e fortalecimento da cultura indígena”, segundo os empreendedores. A crise com os índios é que, com o início do PBA, sai de cena a partir de setembro o pagamento mensal de R$ 30 mil que cada aldeia vinha recebendo há dois anos.

Por: André Borges
Fonte: Valor Econômico 

Deixe um comentário

12 comentários em “Índios surpreendem com longa lista de compensações

  • 28 de maio de 2014 em 13:34
    Permalink

    – Tudo isso ainda e pouco..da tamanha desgraça que esta sendo feita na cidade de Altamira – Para…
    – indios sim estao lutando pelo q eles acham nescessarios pra eles..maior usina hidreletrica vai gerar apenas um terço da capacidade que ela tem..e destruir a natureza..aff

    se vcs nao estao acompanhando de perto esse impacto fiquem calados…

  • 6 de junho de 2013 em 18:21
    Permalink

    Chega ate a ser comico (pra nao ser tragico) como vivemos em um país tao diversificado culturalmente mas com tamanha dificuldade de respeitar os diferentes. Independente do grau que foi exigido pelos índios, o que pode -se ressaltar é que depois de tantos anos de exploraçoes sobre esse povo hoje eles estao lutando por um direito deles. O Brasil com o vasto territorio e as diversas composiçoes culturais deve obter uma constituiçao que olhe e e preze pelos direitos de todos e o um governo que respeite essa constituiçao. Portanto é justo que antes de criticar a cultura indigena olhe para o passado historico desse povo que estava presente nessa terra antes de nós. Menos ignorancia e mais respeito!

  • 9 de maio de 2013 em 11:01
    Permalink

    O pessoal está se colocando muito contra os índios. Vamos balancear a carga e ter bom senso galera. Em primeiro lugar, a construção dessa usina já é uma desgraça ambiental, em segundo irá influenciar nagativamente na vida das pessoas que já vivem por lá. Se coloquem no lugar dos índios também. É claro que a proposta de compensação é exagerada… mas eu tb entendo o sentimento deles, quando à situação. Vamos deixar de agrcecividade e ir de contra os que mais precisam de ajuda. Contra o governo e as merdas que consumimos, vejo poucos usando da inteligência para fazer a diferença e mudar pra melhor…

  • 2 de novembro de 2012 em 20:33
    Permalink

    essas desgraça de indio tem tudo que morrer.. DA UM ARCO E UMA FLECHA PRA ELES E FODA-SE, ELES NÃO DIZEM QUE SÃO DA NATUREZA?

    • 13 de janeiro de 2013 em 0:05
      Permalink

      Eles ERAM da natureza há 500 e poucos anos, seu lambe rola.
      Hoje são domesticados.
      Conhece a história dos jesuítas? Passe 10 dias com eles. Você vai confessar mais coisas do que se o Bope te pegar.
      Grande abraço.

  • 28 de junho de 2012 em 13:46
    Permalink

    Bando de vagabundo, isso sim! qrem se aproveitar da Usina para serem sustentados. E ainda vem uns idiotas de fora que não sabem de nada e defedem esses FDP…

    • 1 de novembro de 2012 em 0:23
      Permalink

      náh, que blz, então podemos invadir sua casa e roubar todos os seus recursos alem de levar o seu computador, pq vc provavelmente é uma desocupada sustentada pelos seus pais, acorda, a terra é deles, eles estavam aqui antes, se são vagabundos ou não, não é problema nosso, o nosso problema é continuar nossa vida sem interferir na deles.

      • 23 de março de 2013 em 0:16
        Permalink

        to cagando pra vc Nilson Maia e concordo com Náh em gênero número e grau. Aliás ela é mulher kkkk
        Na época da descoberta do Brasil eles ganhavam espelhos em troca de navios carregados de pau-brasil agora eles querem Hilux? nem eu q trabalho feito um condenado não tenho um carrão desses, mas eu num tô dizendo mermo…

  • 28 de junho de 2012 em 11:21
    Permalink

    É uma pena que tenha que ser assim(com usina hidrelétrica em floresta Amazonica, em terra ancestral desses POVOS) mas acho pouco.
    Esses itens tem vida útil breve, diante da grandeza do prejuízo que terão.
    Acho que todas as exigências devem ser VITALÍCIAS para compensar minimamente essas comunidades

    • 18 de novembro de 2012 em 21:23
      Permalink

      Vá tomar no olho da bunda! Você já viu um índio de perto? Larga de ser besta! índio não é coitadinho não! Não existe mais índio não (a não ser perante a lei). Que diabo de índio é esse que precisa de Hilux, cabeças de gado e o diabo a quatro? Cadê as culturas de subsistência? Índio? Eles são como qualquer cidadão capitalista. Só que com nome esquisito.

    • 16 de junho de 2013 em 8:48
      Permalink

      Já que você acha pouco, porque você não inclui na lista deles sua casa, seu carro, sua família. Ou se não, deixa eles lá e volte a viver no tempo das cavernas, sem sua TV, sem seu chuveiro elétrico, sem seu computador, sem combustível no seu carro, sim porque não tem energia elétrica para acionar a bomba no posto e tão pouco para extrair o petróleo e refiná-lo e tantas outras coisas que dependem de energia elétrica. Ah! Não se esqueça de levar uma tocha pra enxergar o caminho que tá escuro. BOBÃO!

      • 21 de outubro de 2015 em 13:45
        Permalink

        CONCORDO COM O FELLIPE! A CULTURA INDIGENA ACABOU EM 1500 COM A CHEGADA DO PORTUGUESES. ESSES QUE AI ESTÃO, SÃO SAFADOS QUE SE UTILIZAM DA DESIGNAÇÃO DE INDIO. QUEREM USAR A PATENTE DE SILVICOLAS PARA SE BENEFICIAR DE PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS E AUXILIOS E ONG`S SEM FIM, E AO MESMO TENTO QUEREM VIVER COMO URBANOIDES….OU SEJA, UMA COISA NÃO COADUNA COM A OUTRA. SILVICOLA NÃO ANDA DE CARRO, NÃO É AGROPECUARISTA,…. SE ASSIM O QUEREM, DEVEM ABRIR MÃO DO STATUS DE SILVICOLAS E ASSUMIREM A CONDIÇÃO DE CIDADÃO, QUE É DE FATO COMO VIVEM….E O RESTO DO POVO HIPOCRITO VAI TOMAR NO OLHO DO CÚ….

Fechado para comentários.