No Brasil, quase ninguém sabe o que é a Rio+20

A uma semana da Rio%2b20, pesquisa mostra que 78% da população não sabe do que se trata o evento. MMA considera índice normal

A pesquisa “O que o brasileiro pensa do meio ambiente e do consumo sustentável”, divulgada ontem no Rio de Janeiro pela ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, revelou que 78% da população não têm conhecimento sobre a Conferência Rio+20, que reunirá líderes mundiais entre 13 e 22 de junho na cidade. Dos 22% que afirmam ter ouvido algo sobre a realização do evento, 89% lembram somente do vínculo ambiental. Cerca de 6% afirmaram que a reunião tratará da crise econômica da América Latina, enquanto 5% arriscaram que a Rio+20 vai celebrar os 20 anos de vitória do combate à fome na África.

Realizada pelo Instituto CP2 de Belo Horizonte, em parceria o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), a pesquisa entrevistou 2.201 brasileiros, acima de 16 anos, nas cinco regiões. O levantamento foi feito entre 15 e 30 de maio deste ano. Na avaliação do ministério, o percentual de pessoas informadas ainda representa um índice alto, levando em consideração que é uma conferência mundial com temas específicos e que não são de caráter popular. O levantamento do MMA revelou outras faces do baixo conhecimento ambiental dos brasileiros. Mais da metade dos entrevistados não tem ideia do que seja desenvolvimento ou consumo sustentável (veja quadro).

Cerca de 52% da população não separa resíduos para reciclagem. Ainda assim, o lixo é uma preocupação de mais de 29% dos entrevistados. Porém, somente 13% dos indagados assumiram estar muito bem ou bem informados sobre assuntos relativos ao meio ambiente e ecologia. Deste total, 83% disseram buscar informações na televisão, enquanto 29,5% procuram conhecimento na internet e em jornais.

Gustavo Souto Maior, professor do Núcleo de Estudos Ambientais da Universidade de Brasília (UnB), acredita que o governo federal não informa a população de forma eficiente. Ele, inclusive, classifica o Brasil como atrasado neste debate. “Por aqui, o executivo anuncia queda no IPI para aumentar a venda de carros novos. Já na Europa, o governo britânico está diminuindo a largura das ruas e aumentando as ciclovias. No resto do mundo, o uso de carros é cerceado. Enquanto o exemplo não vier das autoridades, a postura não vai mudar”, critica.

Alguns pontos da pesquisa são comparativos com o mesmo estudo realizado em 1992. Na ocasião, 46% dos brasileiros indicavam o desmatamento como o principal problema ambiental no país. Vinte anos depois, a opção ainda ocupa o primeiro lugar na avaliação. Na opinião do ministério, houve uma evolução significativa na consciência com o meio ambiente. De acordo com o levantamento, 65% dos brasileiros elencaram a sobrevivência do planeta como fator principal, quando se pensa na proteção do meio ambiente. Em seguida, 15% da população acredita que é preciso cuidar do meio para garantir um futuro melhor. Somente 1% dos entrevistados lembrou da responsabilidade socioambiental.

Plástico Apesar de ter demonstrado que a população tem pouco conhecimento sobre o tema, a pesquisa do MMA revelou que 85% dos brasileiros estão dispostos a aderir a uma campanha para reduzir o consumo de sacolas plásticas e 35% afirmam que, em suas cidades, já existem iniciativas neste sentido. Contudo, 58% confessam não ter o hábito de levar a própria sacola ou carrinho ao supermercado.

Atualmente, há muitos projetos de lei, em âmbito municipal ou estadual, para proibir o uso das sacolas, que demoram mais de 100 anos para se decompor no meio ambiente. No Congresso Nacional, o PLS 322/2011, do senador Eduardo Braga (PMDB-AM), pretende impedir — em todo o país — a utilização, a fabricação, a importação, a comercialização e a distribuição. A proposta aguarda, desde 2011, designação de relator na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado.

“No resto do mundo, o uso de carros é cerceado. Enquanto o exemplo não vier das autoridades, a postura não vai mudar” Gustavo Souto Maior, especialista da UnB

Conhecimento verde

O que o brasileiro pensa do meio ambiente e do consumo sustentável

A pesquisa aponta uma evolução na consciência da população. Em 1992, primeiro ano do estudo, 46% pessoas não sabiam mencionar um problema ambiental na cidade onde moravam. Atualmente, esse número caiu para 10%.

Confira outros dados:

  • 53% da população brasileira não conhece o significado do conceito “desenvolvimento sustentável”
  • 66% dos brasileiros desconhecem o que é “consumo sustentável”
  • 44% das pessoas no país não sabem o que é uma área protegida
  • Metade dos brasileiros não tem conhecimento ou já ouviu falar sobre a destruição da biodiversidade.

Principais problemas

Para 67% dos brasileiros, o principal problema ambiental do país hoje é o desmatamento.

Em segundo lugar está a poluição de lagos, rios e outras fontes.

Por: Paula Filizola
Fonte: Correio Braziliense 

Deixe um comentário