Projeto Rondon ajuda a integrar população em município do Pará

Os 20 estudantes universitários que participam do Projeto Rondon em Bonito (PA) estão ajudando a integrar a população local.  A falta de espaços para socialização, como uma praça e um centro comunitário, é uma das principais reclamações de moradores do município.  De acordo com a dona de casa Ana Júlia Machado Mendes, 38 anos, a cidade necessita de um bom hospital e de pelo menos uma feira.

“Não temos uma feira, não há uma praça boa para a gente levar as crianças.  Isso é triste.  Não há um centro comunitário para a gente se reunir e fazer uma cooperativa e nem um hospital bom, só um postinho de saúde”, reclamou.

Para a rondonista Aline Stéfani Corrêa, 23 anos, a falta de lugares para socialização acaba fazendo com que as pessoas fiquem individualistas.  “Isso é ruim para uma cidade, porque quando você não tem um espaço em que a pessoa possa se socializar, ela não se sente parte da comunidade e acaba pensando só nela.  O município é assim, falar em cooperação é bem difícil.  A gente não vê nada aqui como se fosse uma comunidade”.

Durante as oficinas feitas com a população, a estudante de relações internacionais de Curitiba observou que faltam investimentos na formação de pessoas.  A gente viu que há muita vontade dos moradores de crescer aqui dentro, estudar e trabalhar no município.  A cidade tem certa estrutura, mas falta a parte de formação humana”.

Márcia Nazaré de Lima Gomes, 24 anos, mora em Bonito há dois anos e trabalha na Secretaria de Meio Ambiente.  Para ela, o Projeto Rondon pode ajudar a mudar a cultura da população local, pois além de abrir novos horizontes, estimula a multiplicação de aprendizado.  “A gente precisa trabalhar a população para que ela se desenvolva.  A cultura do lugar vem mudando.  Todo mundo tem uma visão individual.  Esse aprendizado de que nada funciona só, esse trabalho abre a visão das pessoas”.

Por: Daniella Jinkings
Fonte: Agência Brasil – EBC
Edição: Graça Adjuto

Deixe um comentário