“Uma vergonha”, diz Dom Erwin sobre decisão do STF de soltar acusado da morte de irmã Dorothy

O ministro Marco Aurélio Melo, do Supremo Tribunal Federal (STF), deferiu o pedido de habeas corpus, determinando a expedição de alvará de soltura para Regivaldo Pereira Galvão, condenado pelo Tribunal do Júri de Belém (PA) a 30 anos de reclusão pelo homicídio que vitimou a missionária Dorothy Stang. “Recebo essa informação com espanto”, declarou o bispo da prelazia do Xingu (PA), dom Erwin Kräutler.

“Não posso admitir que seja esta a Justiça de nosso país. Que Deus tenha pena de todos nós”, afirma o bispo, que avalia que a decisão do STF desconsidera o que foi determinado pelo Tribunal de Júri do Pará. “Esta notícia envergonha a todos”.

Com a decisão do STF, o juiz de Altamira (PA) Raimundo Moisés Flexa, expediu o alvará de soltura. Regivaldo foi solto na tarde desta quarta-feira. Está marcado, para o próximo dia 3, o depoimento do policial federal Fernando Luiz Raiol, que recentemente protocolou documento em cartório, revelando fatos sobre o assassinato da missionária que poderão ensejar a reabertura do caso.

Fonte: Boletim da CNBB

Deixe um comentário

3 comentários em ““Uma vergonha”, diz Dom Erwin sobre decisão do STF de soltar acusado da morte de irmã Dorothy

  • 23 de agosto de 2012 em 22:37
    Permalink

    A decisão do juiz marco aurélio melo só reflete o que é o poder judiciário do Brasil, corrupção, jogo de interesse, descaso com justiça e com a justiça, corporativismo, já se chegou ao cúmulo de um juiz togado acusar o presidente de stj de pistoleiro, lembram(não sou igual aos seus capangas), esperar o que desse tipo de gente.

    Resposta
  • 24 de agosto de 2012 em 14:39
    Permalink

    …assiste plena razão ao DOM ERWIN em estar indignado com a soltura do Acusado da morte da irmã Dorothy, mas esta indignação não é só dele(do Bispo) é, também, de todos, porém, a Justiça, aqui me refiro ao Supremo Tribunal Federal, em particular, ao Ministro Marco Aurélio, não pode ser responsabilizado de forma solitária pelo evento, posto que cabe ao judiciário julgar em conformidade, também, com a lei infra e constitucional e como nossa legislação jurídico/processual permite a liberdade do Acusado enquanto não houver o trânsito em julgado, logicamente, que não poderia ser diferente a decisão, em que pese a repercução do crime. A QUESTÃO NÃO É DE JUSTIÇA, MAS DE LEI.

    Resposta
  • 3 de setembro de 2012 em 20:28
    Permalink

    VERGONHA!!! VERGONHA EM DIZER QUE MORO NO BRASIL COM UM MEMBRO NO STJ SOLTANDO OS CRIMINOSOS..UMA VEZ QUE
    O MESMO FORA condenado pelo Tribunal do Júri de Belém (PA) a 30 anos de reclusão pelo homicídio que vitimou a missionária Dorothy Stang. HOJE QUEM DEVE ESTÁ SOLTO SÃO OS BANDIDOS E OS CIDADÃOS DE BEM TEM QUE ESTAREM TRANCAFIADOS EM SUAS CASAS PORQUE ESTAREMOS MAIS SEGUROS DOS MAGINAIS QUE A JUSTIÇA SOLTA!!PARABENS A SUA EXCELência Marco Aurélio Melo…A justiça irá andar bem com um ministro como você no STJ…VIVA A INJUSTIÇA!!!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*