Indígenas presos na fronteira com a Colômbia terão intérprete tikuna, durante interrogatório

Prisão ocorreu em outubro do ano passado, após denúncia anônima à Polícia Federal, em Tabatinga, dando conta de que indígenas mantinha um arsenal na comuindade Umariaçu II

O interrogatório dos indígenas de etnia tikuna Harvy Ferreira e José Gomes Pinto, previsto para ocorrer nesta terça-feira (23), na sede da Justiça Federal, no bairro Adrianópolis, Zona Centro-Sul de Manaus contará com a presença de um tradutor da língua tikuna, atendendo solicitação da justiça,

Conforme informações repassadas pela Secretaria de Estado para os Povos Indígenas (Seind), responsável em fornecer o intérprete, a dupla indígena foi presa em outubro de 2011, pela Polícia Federal, na comunidade Umariaçu II, localizada no município de Tabatinga – a 1.105 quilômetros de Manaus -, sob a acusação de portar armas de grosso calibre e granadas, na fronteira com a Colômbia.

Por meio do Departamento de Promoção dos Direitos Indígenas (Depi), a Seind tem acompanhado o caso e atende à determinação da Justiça para fazer a tradução dos indígenas envolvidos, por meio de um servidor do próprio órgão, de origem tikuna, do alto rio Solimões.

Presos por porte ilegal de arma, os acusados alegam que não receberam o tratamento diferenciado previsto em lei.

Fonte: A Crítica

Deixe um comentário