Sem comida e energia em abrigo, desespero toma conta de haitianos

Damião Borges cercado por haitianos em busca de abrigo e comida

A situação de 200 haitianos abrigados precariamente numa casa no município de Brasiléia, a 235 quilômetros de Rio Branco (AC), na fronteira com a Bolívia, se agravou depois que o governo estadual deixou de pagar o aluguel do imóvel e parou de fornecer alimentação.

A casa está sem eletricidade, a comida é insuficiente e as pessoas estão desesperadas, de acordo com relatos de ativistas de defesa dos direitos humanos. A maioria dos haitianos já está com CPF, mas falta oportunidade de trabalho, afetando especialmente as mulheres, algumas esperando bebês há vários meses.

– O desespero dos haitianos está aumentando e espero que possamos evitar tragédias – disse o pesquisador Foster Brown, cientista do Experimento de Grande Escala Biosfera Atmosfera na Amazonia (LBA) e membro do MAP -de Madre de Dios (Peru), Acre (Brasil) e Pando (Bolívia)- uma iniciativa de de direitos humanos.

De acordo com Foster Brown, a iniciativa MAP estuda a possibilidade de pedir ajuda de organizações como a Care Brasil e a Cruz Vermelha.

– Não há apoio aparente no nível federal e a Secretaria Estadual de Justiça e Direitos Humanos está quebrada, com muitas dividas – acrescentou Brown.

A devastação causada pelo terremoto de 12 de janeiro de 2010 no Haiti atingiu 3 milhões de pessoas, mais de 220 mil morreram e 1,5 milhão ficaram desabrigadas.

Mais de 5 mil haitianos entraram no Brasil pela fronteira amazônica. Eles cruzam ilegalmente a fronteira, aguardam visto temporário e são transferidos e contratados como mão-de-obra nas regiões mais desenvolvidas do país.

Não falta documentação para os haitianos, pois a Policia Federal tem facilitado a entrega de CPFs. A crise neste momento, segundo Damião Borges, funcionário da Secretaria Estadual de Justiça e Direitos Humanos, responsável pelos haitianos, se resume em dois itens: abrigo e alimentação.

– Eles estão sem moradia e luz. Em breve, 200 haitianos vão estar literalmente nas ruas. Uma recém-nascida na noite de segunda, está num quarto escuro com muita gente. Além disso, falta comida e água pótavel. Alguns dos haitianos estão sem comer há alguns dias – relatou Damião Borges.

De Iberia, no Peru, o padre René Salízar, também da iniciativa MAP, conta que já se manifestou muitas vezes no país dele sobre a situação dos haitianos. Ele considera que este é um problema que nunca vai acabar.

– Porque eles seguem entrando no Peru sem nenhum problema a partir da fronteira do Ecuador, de maneira ilegal. Chegam a Puerto Maldonado, logo locam um carro até Iberia, onde existem vários coiotes que os levam até a fronteira com a Bolivia, onde estão os coiotes bolivianos – relata.

O padre René Salízar já se pronunciou sobre a situação ante ao chefe máximo da polícia regional de Madre de Dios, porém pouco ou nada podem fazer.

– Eles dizem que no há ordem para deter ou não deixar passar os haitianos, pois não estão vindo para ficar no Perú, mas estão de passagem com destino ao Brasil. Assim mesmo, fizemos uma denuncia ao Ministerio Público de Iberia, pois os coiotes cometem extorsões contra os haitianos. Salízar disse que quando conversa com os haitianos que chegam até a sua paróquia, contando da situação dos compatriotas que estão em Brasília, os imigrantes que seus amigos e parentes já se encontram no Brasil.

– Eles dizem que a vida no Brasil é fácil e que o estado nacional brasileiro os apoia. Os que estão no Brasil seguem chamando seus compatriotas e se o Peru não fecha a fronteira do Ecuador, seguirão tendo problemas no Brasil com o imigrantes haitianos – concluiu o padre.

Por: Altino Machado
Fonte: Blog da Amazônia/ Terra Magazine 

Deixe um comentário

3 comentários em “Sem comida e energia em abrigo, desespero toma conta de haitianos

  • 31 de maio de 2013 em 10:15
    Permalink

    precizo de serralheiro favor entrar em contato tel; 044/3631/54/53 ou 044/9968/37/49 aguardo obrigado

    Resposta
  • 23 de agosto de 2015 em 3:32
    Permalink

    La desertificacion de la isla esta a la vutela de 40 af1os debido a que las mafias que disfrutan de su lucrativo negocio no pueden ser combatidas ni por ambos gobiernos (RD/Haiti) ni por las tropas de la ONU. Dice un antiguo refranero: Cuando no puedas combatatir a tu enemigo, unete a el . Esto plantea una segura muerte de la naturaleza y, por tal razon, de las futuras generacines de la RD. El agua desaparcera y la misma tendra que importarse en condiciones muy desventajosas. El humano es doblemente suicida y homicida

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*