Justiça liberta ruralistas acusados de pedofilia no Acre

Por determinação do desembargador Francisco Djalma, oficiais de justiça cumpriram na noite desta segunda-feira (5) mandados de soltura em favor dos pecuaristas Assuero Doca Veronez, 62, presidente da Federação de Agricultura do Acre, e Adálio Cordeiro, 79.

Os dois ruralistas foram presos na Operação Delivery, a pedido do Ministério Público do Acre, na manhã de sexta-feira, em Rio Branco (AC), acusados de envolvimento com uma rede de pedofilia.

Na sexta, a desembargadora Denise Bonfim negou provimento a liminar pela libertação dos dois pecuaristas. A desembargadora argumentou que a defesa não apresentou documentos necessários ao processo original. As informações foram apresentadas pela defesa e o alvará de soltura foi cumprido imediatamente.

Nesta segunda, o advogado Roberto Duarte Júnior impetrou no Tribunal de Justiça do Acre, um habeas corpus em favor de Marcelo Moniz Mesquita, que, a pedido do MPE, teve a prisão decretada pelo juiz Romário Divino Faria, da 2ª Vara da Infância e da Juventude de Rio Branco.

Marcelo Moniz Mesquita, que está foragido, é acusado de favorecimento da prostituição e exploração sexual de vulnerável. A prisão dele também foi decretada na sexta.

O relator do processo 0002096-67.2012.8.01.0000, que pode ser acessado no site do Tribunal de Justiça, é o desembargador Francisco Djalma.

Por: Altino Machado
Fonte: Terra Magazine / Blog da Amazônia 

Deixe um comentário