VLI prepara plano de investimentos de R$ 9 bilhões até 2017

A Vale desenvolveu o negócio de mineração apoiada em um conceito de logística integrada formado por mina, ferrovia e porto. Esse modelo é estratégico para a exploração de minério de ferro. Agora, a Vale está adaptando o mesmo conceito ao transporte de carga geral, serviço que a companhia já prestava mas que está reforçando por meio da Valor da Logística Integrada (VLI). Criada em 2011, a VLI prevê investir R$ 9 bilhões em portos e ferrovias entre 2013 e 2017.

O conceito da VLI substituiu, porém, o “elo” mina do tripé logístico mina, ferrovia e porto da mineração pela construção de uma rede de “terminais integradores” com capacidade de receber e escoar produtos como grãos, fertilizantes e aço. Esses terminais vão estar situados na área de influência de cinco corredores logísticos definidos pela Vale (corredores Norte, Nordeste, Sudeste, Minas-Rio e Anápolis-Santos). Os terminais estarão ligados diretamente a ferrovias e portos que integram o portfólio da empresa ou com os quais a VLI tem contratos operacionais.

A nova companhia tem três terminais deste tipo em Pirapora e Araguari, em Minas Gerais, e em Palmeirante, no Tocantins, e planeja construir mais cinco. Um para movimentar produtos siderúrgicos em Belo Horizonte, um para grãos e fertilizantes no Triângulo Mineiro, um para açúcar no interior de São Paulo e dois para grãos na região de Uruaçu (GO) e Palmeirante (TO).

Com sede em São Paulo, a VLI também vai expandir capacidade em ferrovias e portos, projetos que justificam o seu ambicioso plano de investimentos. Por enquanto, esse plano é uma proposta sujeita à aprovação dos sócios da empresa. Hoje, a Vale tem 100% do capital da companhia, mas contratou os bancos BTG Pactual e Merrill Lynch para assessorá-la na busca de sócios para a nova empresa. Quando esse processo de capitalização for concluído, o plano de negócios será submetido à aprovação dos sócios da VLI. O plano prevê aumentar em 57% a movimentação de carga geral nos portos da empresa, de 25,7 milhões de toneladas em 2013 para 40,3 milhões de toneladas, em 2017. As ferrovias aumentariam o volume de carga em quase 70%, dos 32,3 milhões de toneladas por quilômetros útil (TKU) de 2013 para 54,3 milhões de TKU, em 2017. A abertura de capital da companhia não está descartada, mas só será definida em uma segunda fase.

“Temos cinco investidores fortemente interessados [na VLI]”, disse Humberto Freitas, diretor-executivo de logística, exploração mineral e tecnologia da Vale. Os valores da operação são mantidos em sigilo. Os bancos se encarregaram de avaliações econômico-financeiras da empresa, enquanto os interessados estão fazendo as próprias contas. Freitas afirmou que todos os interessados são investidores financeiros com perfil de permanecer longo prazo nos projetos de infraestrutura da companhia.

A entrada dos novos sócios será importante para a VLI fazer frente ao seu plano de negócios. A ideia é que os R$ 9 bilhões sejam aplicados da seguinte forma ao longo de cinco anos: R$ 2,9 bilhões em 2013, R$ 2,4 bilhões em 2014, R$ 1,65 bilhão em 2015, R$ 1,2 bilhão em 2016 e R$ 840 milhões em 2017. Por enquanto, a VLI tem aprovado um orçamento de investimentos de R$ 1,064 bilhão para 2013, dos quais R$ 670 milhões em expansão, R$ 340 milhões em manutenção e R$ 54 milhões projetos.

Os investimentos em expansão para o ano que vem incluem a compra de 37 locomotivas e de 1,2 mil vagões, além de gastos nos terminais e compra de terrenos. Outro projeto importante é a expansão do terminal privativo de fertilizantes de Santos, o antigo terminal da Ultrafértil. A capacidade atual do terminal, de 2,5 milhões de toneladas por ano, será multiplicada por cinco para atingir volume anual de 12,5 milhões de toneladas, incluindo grãos e açúcar.

A Vale poderá vender aos sócios 50% ou mais do capital da VLI. Isso porque o apetite dos investidores pelo negócio foi tão grande que a mineradoras se dispôs a diminuir sua participação, admitindo até ser minoritária. “Mas nunca teremos menos do que 30% [na VLI] pois estamos ligados à empresa”, disse Freitas. A Vale terá também terá papel de sócio estratégico dado seu conhecimento do segmento de carga geral de granéis. Freitas disse que a ideia é ter até o primeiro trimestre de 2013 uma definição sobre propostas firmes de compra da VLI pelos novos sócios.

A mineradora está ligada à VLI por meio de ativos ou concessões de ferrovias e portos que transferiu para a nova companhia, incluindo a Ferrovia Centro-Atlântica (FCA), a Ferrovia Norte-Sul (FNS), o terminal privativo para fertilizantes em Santos, um berço para grãos no porto do Itaqui, no Maranhão, e os três terminais terrestres existentes em Minas e no Tocantins.

Além de incorporar ativos que eram da mineradora, a VLI fez contratos com a Vale para operar carga de terceiros em ativos que continuam sob controle da mineradora. A VLI poderá oferecer ao mercado capacidades excedentes de carga na Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM) e na Estrada de Ferro de Carajás (EFC), ferrovias que fazem o transporte de minério de ferro até os portos de Tubarão, em Vitória (ES), e de Ponta da Madeira, em São Luís (MA), respectivamente.

A VLI tem acesso a outros ativos da Vale via contratos, como é o caso do Terminal de Ponta da Madeira (TPM), em Vitória (ES), para movimentação de carvão, e de dois terminais de produtos diversos que escoam milho, soja, fertilizantes e carga geral, também situados em Vitória. Freitas disse que esses contratos foram aprovados pela Vale, em um primeiro momento, e depois a empresa decidiu submetê-los à aprovação da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Por: Francisco Góes
Fonte: Valor Econômico

Deixe um comentário

2 comentários em “VLI prepara plano de investimentos de R$ 9 bilhões até 2017

  • 18 de janeiro de 2016 em 8:57
    Permalink

    Precisamos contato com o Contas á Pagar da VLI Multimídia.
    Nesta data ocorreu a publicação do Edital de Protesto em São Paulo contra a Empresa VLI, manter contato para evitar o protesto somente até o dia 19.01.16, para providências sem protesto,

    Tel. (11) 3111 0020 / 0022

    Nivaldo Santana

  • 12 de junho de 2013 em 11:08
    Permalink

    A vli se trata de uma excelente empresa. Sou de Pirapora-Mg e estou tentando uma vaga na mesma, pois entendo como uma grande oportunidade de crescimento profissional
    Poder ingressar em uma agremiaçao de tamanha influencia no mercado nacional e internacional. Admiro muito os trabalhos prestados pela vli para o crescimento do nosso Brasil, sobretudo nas areas de transporte e logistica. Acho incrivel a sua capacidade de desenvolver e atender com precisao e excelencia seus clientes internos e externos, cotribuindo assim para a expanção dos seus serviços. Por essas e outras razões que seria para mim, um imenso prazer e mais que isso, um sonho realizado poder oferecer a minha mão-de-obra, com o objetivo de contribuir sempre para a expanção e desenvolvimento dessa grande empresa. Muito obrigado.

Fechado para comentários.