Abates ilegais podem virar tema de CPI

A pesquisa que indica que um terço da carne bovina consumida no país sequer é inspecionada pode resultar em uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apontar responsabilidades na exposição do consumidor final e dos trabalhadores. Essa é a aposta do diretor da Oscip Amigos da Terra, Roberto Smeraldi, que, nas próximas semanas, apresenta o relatório ‘Radiografia da Carne no Brasil’ no Senado. Smeraldi defende a fiscalização única no país para reduzir os problemas. Por oito meses, a Oscip averiguou a situação em frigoríficos com inspeção estadual e municipal em oito estados responsáveis por mais de 60% do rebanho nacional, dentre eles o Rio Grande do Sul. São quase mil estabelecimentos que desrespeitariam meio ambiente, direitos trabalhistas, bem-estar animal e que, na prática, abatem ilegalmente de forma regular.

O estudo mostra que vigoram três padrões sanitários no país, com clara distinção entre as exigências feitas aos que exportam e aos que atendem ao mercado interno. Apesar de reconhecer avanços em políticas de compra adotadas por empresas, o relatório diz que elas são insuficientes para garantir a segurança alimentar. Dados oficiais reforçam a diferença no nível de cobrança da fiscalização. Auditoria do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal do Ministério da Agricultura em 2012 apontou inconformidade de 9,6% nos frigoríficos com inspeção federal. Já a pesquisa, que considera unidades com inspeção municipal e estadual, aponta irregularidades sistemáticas em 80% dos casos.

O presidente da Abrafrigo, Péricles Salazar, é contrário à CPI. Para ele, o Ministério da Agricultura tem que buscar uma inspeção eficiente, já que a unificação dos sistemas no Sisbi, que adota padrão federal, não decolou. ‘Os estados não têm dinheiro para aderir e as prefeituras parecem entender que os gastos com inspeção não são investimento.’ O relatório foi apresentado este mês em audiência pública na Câmara, onde a criação de uma CPI ainda não ganhou corpo. Para o presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, o deputado Luis Carlos Heinze, essa é uma questão ainda a ser analisada.

TIPO DE INSPEÇÃO

Bovinos abatidos:

Com inspeção federal: 22.666.750

Com inspeção municipal: 2.341.278

Com inspeção estadual: 4.805.895

Fonte: Correio do Povo

Deixe um comentário

Um comentário em “Abates ilegais podem virar tema de CPI

  • 22 de abril de 2013 em 11:18
    Permalink

    Saudações ONG Amigos da Terra

    Venho através deste, tirar algumas dúvidas sobre a situação dos abates de bovinos, tais quais:
    1- Qual a relação da ONG Amigos da terra com os grandes frigorificos que monopolisam a comercialização de carne bovina no Brasil?
    2- Não seria mais adequado insentivar a contratação de Médicos veterinários com salários justos p/ trabalharem nestes estabelecimentos municipios e estados?
    3- Na pesquisa feita pela ONG, qual o número de profissionais (médicos vetereinários) nos municipios e estados que estão direcionados p/ Inspeção Sanitária?
    Desde ja agradeço pela atenção e aguardo resposta.

    Alex Paulino
    Estado do Acre

Fechado para comentários.