Homem é preso no Acre após estuprar criança na frente dos pais

Um homem foi preso pela Polícia Civil do Acre e reconhecido como um dos autores da barbárie que atingiu a família de um seringueiro na zona rural da Vila Evo Morales, na Bolívia, a 100 quilômetros de Rio Branco. Júnior Antony Gomes de Souza, 21, é acusado de ter invadido, armado com espingarda, a casa do seringueiro Pedro Lino da Silva, 52, e estuprado a filha de nove anos do extrativista.

Preso no município de Acrelândia, a 112 quilômetros de Rio Branco, o homem havia violentado a criança na presença dos pais. O seringueiro foi baleado no braço ao tentar defender a filha. A mãe da criança, Maria do Socorro Oliveira de Lima, 45, foi assassinada com um tiro no rosto ao tentar fugir.

A brutalidade foi testemunhada por outra criança, de seis anos, que presenciou o pai ser baleado, o estupro da irmã e a execução da mãe.

– O crime aconteceu quando Júnior Antony, acompanhado do boliviano Arsênio Dury Gomes, decidiram sequestrar a criança para manter relações sexuais. Os criminosos se armaram com duas espingardas e atacaram a casa de pau a pique do seringueiro – relatou o delegado Martin Fillus.

Segundo a polícia, Júnior Antony invadiu a casa e anunciou que ia estuprar a menina e que depois ia embora com ela. O pai da menina, que sofre de uma deficiência óssea, tentou evitar, mas foi baleado pelo boliviano Arsênio Dury. Ferido, o seringueiro conseguiu fugir.

Júnior Antony engatilhou a arma, apontou para a cabeça de Maria do Socorro, e conduziu-a com as duas crianças para uma casa abandonada. Sob ameaças de morte, obrigou a mãe a assistir ao estupro da filha. Após o estupro da criança, a mãe tentou fugir e foi executada com tiro no rosto.

Segundo a polícia, a criança foi levada pelos estupradores para dentro do mato e violentada outras duas vezes por Júnior Antony e pelo comparsa boliviano. Após os últimos estupros, a criança foi amarrada com cipó no tronco de uma árvore e abandonada na floresta, sendo resgatada no dia seguinte por policiais do município de Plácido de Castro, que é separado de Vila Evo Moraes pelo rio Abunã.

A criança foi atendida inicialmente num hospital do município, mas logo transferida para Rio Branco, onde passou por intervenção cirúrgica na Maternidade Barbara Heliodora.

O primeiro a ser preso foi o boliviano Arsênio Dury. Após ser indiciado pelo crime, foi entregue às autoridades da Bolívia. O brasileiro, ao ser abordado pela polícia, sacou de uma faca. Um policial atirou, causou lesões e o suspeito foi conduzido para atendimento no Pronto Socorro de Rio Branco, onde foi identificado e submetido a reconhecimento individual. Ambos estavam foragidos há 13 dias.

Fonte: Terra Magazine / Blog da Amazônia

Deixe um comentário