Encontro internacional debate agroecologia no contexto da agricultura familiar

Incentivar a agricultura familiar, diminuindo sua dependência em relação às grandes corporações do setor, valorizar o papel da mulher no campo e garantir o diálogo entre o pequeno produtor e o meio acadêmico são temas discutidos no 3º Encontro Internacional de Agroecologia, que está sendo realizado pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Botucatu, a 250 quilômetros da capital.

O evento visa a promover um debate pluralizado, que envolverá de renomados cientistas a agricultores de baixa renda. “A participação dos agricultores na construção do conhecimento científico, não pode ser isolada. Depende de uma integração do saber dos agricultores, que conhecem muito bem o seu sistema de produção, e os cientistas que estão estudando isso. Precisa haver um diálogo melhor entre o conhecimento popular e o científico”, destaca Rodrigo Machado Macedo, professor da Unesp e um dos coordenadores do evento.

O encontro, que começou quarta-feira (31) e termina no sábado (3), tem entre as presenças mais aguardadas a ativista indiana Vandana Shiva. De acordo com o professor Macedo, a ativista mostrará seu largo conhecimento científico para sustentar sua posição que é contrária à apropriação que o grande capital faz das sementes. “Ela tem muito argumento para desconstruir a ideia de que a gente precisa das grandes corporações transnacionais de sementes e venenos agrícolas para matar a fome do mundo”, disse ele.

Segundo Macedo, Vandana critica duramente a ideia de que seis ou sete empresas no mundo são capazes de controlar os grandes elos da cadeia de produção agrícola. Respeitada pela sua militância histórica, na década de 70, ela participou do movimento Mulheres de Chipko, que amarravam-se a árvores para impedir que fossem derrubadas e para protestar contra o despejo de lixo atômico. Em 1993, recebeu o Right Livelihood Award, uma versão alternativa do Prêmio Nobel da Paz.

Um dos princípios de Vandana é também defender a participação e os diretos da mulher no campo. “Isso é importantíssimo para nós e está sendo bastante debatido no evento”, ressalta o professor.

De acordo com a organização, cerca de 2 mil pessoas estão inscritas no evento. Aproximadamente 300 são agricultores familiares de baixa renda, que receberam alojamento e alimentação gratuitamente. Macedo destaca a importância da presença desses produtores no evento, uma vez que 60% da alimentação básica do brasileiro é proveniente da agricultura familiar. No entanto, quando se compara com os recursos gerados por esse segmento, nota-se um grande descompasso. Os pequenos produtores respondem por apenas 40% do valor bruto oriundo da produção agrícola no país.

Além disso, apesar de 85% do total de agricultores do país serem familiares, eles ocupam apenas 25% do território nacional e consomem apenas 25% do crédito disponível. Alguns alimentos, como é o caso da mandioca, são produzidos majoritariamente pela agricultura familiar, que chega a produzir, nesses casos, 80% desse tipo de produto.

A programação completa pode ser consultada no site do evento.

Por: Fernanda Cruz
Fonte: Agência Brasil – EBC
Edição: Valéria Aguiar

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.