Floresta do Crepori, no Pará, é licitada

Iniciativa permitirá manejo sustentável de 440 mil hectares e fortalecerá atividade madeireira legal, com benefícios econômicos e sociais para região.

O Serviço Florestal Brasileiro (SFB) abriu edital de licitação destinado à concessão de parte da Floresta Nacional (Flona) do Crepori, situada no município de Jacareacanga, sudoeste do Pará. O edital foi elaborado pelo SFB, órgão da estrutura do Ministério do Meio Ambiente (MMA), com o objetivo de conceder o direito de realizar manejo sustentável em mais de 440 mil hectares de florestas. A produção contribuirá para fortalecer a economia local de base florestal, promovendo a geração de empregos e a melhoria da gestão da área.

O lote está dividido em quatro unidades de manejo florestal (UMFs), que variam de 29.157 a 219.219 hectares, o que possibilitará a implantação de empreendimentos industriais de diferentes portes. A delimitação das áreas foi feita de acordo com estudos prévios e baseado no Plano de Manejo da Flona elaborado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). As empresas vencedoras terão o direito de manejar as áreas para produção sustentável de madeira e de produtos florestais não madeireiros por 40 anos.

Mais empregos

De acordo com o gerente de Concessões Florestais do SFB, Marcelo Arguelles, as florestas públicas fazem parte do patrimônio nacional e devem ser geridas de maneira a manter os serviços ambientais que prestam e gerar benefícios socioeconômicos. No caso da Flona do Crepori, a concessão criará centenas de empregos, além de gerar investimentos em infraestrutura e logística para a região. “Por meio da concessão florestal, o Estado cumpre com sua obrigação de ordenar o uso sustentável das florestas, garantindo sua conservação e a geração benefícios para a população”, explicou.

As empresas interessadas em concorrer ao edital terão até 26 de novembro para apresentar a documentação de habilitação e as propostas técnica e de preço. O preço mínimo a ser ofertado pelo metro cúbico de madeira extraída é de R$ 16,38, valor este que foi estipulado em função de estudos prévios sobre o mercado, os custos de produção e a atratividade econômica necessária para mobilizar investimentos para a região.

A licitação segue a modalidade de técnica e preço, na qual vence o concorrente que apresentar a melhor proposta. Os critérios da proposta técnica consideram indicadores ambientais, sociais e econômicos, como investimentos em infraestrutura e serviços para a comunidade local, adoção de inovações técnicas e tecnológicas ligadas ao manejo e à conservação da floresta, e a ampliação do nível de beneficiamento local dos produtos.

Fonte: Ministério do Meio Ambiente

Deixe um comentário