Fragmentação florestal leva a maiores taxas de extinção

As espécies estão passando por um problema maior do que o estimado, de acordo com um novo trabalho publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), que reavaliou como os cientistas projetam as taxas de extinção. O novo modelo leva em conta o impacto da fragmentação florestal sobre as taxas de extinção pela primeira vez, preenchendo uma lacuna nas estimativas anteriores.

Muitas das florestas tropicais do mundo, que abrigam a maioria das espécies do mundo, foram reduzidas a fragmentos: pequenas ilhas de florestas que não se conectam mais a habitats maiores. Segundo o trabalho, espécies confinadas a fragmentos têm uma maior probabilidade de desaparecerem.

“Muitas regiões florestais, tais como a região da Mata Atlântica na América do Sul, têm sido reduzidas a uma pequena fração de sua extensão original, e essas florestas já são tipicamente altamente fragmentadas. Nossos resultados sugerem que, nessa situação, se alguém ignora o efeito da fragmentação, esse alguém provavelmente subestimará as extinções”, explicou o principal autor, Ilkka Hanski, da Universidade de Helsinki, ao mongabay.com.

Por décadas, cientistas usaram um modelo conhecido como relação espécie-área (SAR) para estimar quantas espécies desaparecem quando habitats são perdidos. Conforme com a SAR convencional, se 90% de uma floresta for destruída, cerca de metade das espécies desaparecem, embora leve muitas gerações.

Mas o modelo apenas observava a área total remanescente, e não se a terra restante era uma grande mancha ou muitas manchas pequenas desconectadas. Entretanto, algumas espécies são mais vulneráveis à extinção quando estão em um fragmento de floresta.

“Para comunidades de espécies que não são bem adaptadas a viver em paisagens fragmentadas, a SAR convencional subestima o número de extinções em paisagens nas quais pouco habitat permanece e é altamente fragmentado”, escreveram Hanski e seus colegas no relatório do PNAS, acrescentando mais tarde que “a fragmentação importa quando as populações locais que habitam fragmentos tem um risco considerável de extinção. Em geral, o risco de extinção aumenta com a diminuição do tamanho dos fragmentos.”

Os pesquisadores pegaram então o modelo teórico e aplicaram-no a espécies de aves na Mata Atlântica, fazendo uma comparação com o mundo real. Atualmente, restam menos de 7% da Mata Atlântica, que já cobriu toda a costa do Brasil. Mas a maior parte do que resta hoje sobrevive em fragmentos pequenos e desconectados.

“Descobrimos que quando resta relativamente pouca floresta, digamos, menos de 20% da área total da paisagem, os números de espécies que se extinguem são aumentados por um alto grau de fragmentação”, disse Hanski.

Além disso, quando resta apenas cerca de 10% da paisagem, a maioria dos animais e aves específicos da floresta não é mais capaz de sobreviver em longo prazo. Fragmentos florestais também são mais propensos a se prejudicarem com ventos, incêndios e sobrecaça. Obviamente, a Mata Atlântica não é a única floresta tropical a sofrer com a alta fragmentação.

No sudeste da Ásia, florestas tropicais se tornaram fragmentadas devido a plantações de monocultura tais como óleo de palma, borracha, celulose e papel, assim como à agricultura e à urbanização. A fragmentação também é um problema e muitas partes da África, onde a agricultura confinou muitas espécies a pequenas manchas, especialmente nos litorais e montanhas do leste da África.

Stuart Pimm, professor de Ecologia da Conservação na Universidade Duke, que não participou do estudo mas tem feito um trabalho considerável sobre relações espécie-área, falou ao mongabay.com que concordava com as descobertas da pesquisa.

“A maioria dos bolsões de extinção está em paisagens altamente fragmentadas. Temos que entender o papel da fragmentação na condução da extinção. Sabemos de trabalhos pioneiros iniciados por Tom Lovejoy na Amazônia, e para os quais meu grupo contribuiu, que quanto menor o fragmento, mais espécies ele perde e mais rapidamente ele as perde.”

Pimm afirma que o trabalho ajuda a levar em consideração espécies que vivem em pequenas distâncias, ou seja, aqueles animais que sobrevivem em pequenos habitats e, portanto, estão em maior risco quando as florestas são fragmentadas.

“Sabemos há muito tempo que as espécies diferem grandemente quando se trata de risco de extinção. Espécies que vivem em grandes faixas geográficas se saem muito melhor do que as que vivem em pequenas faixas. […] É muito mais fácil destruir uma espécie em uma pequena faixa do que em uma grande”, declara ele. “Então nos preocupamos muito em mapear onde as espécies de pequenas faixas estão, não apenas onde a maioria das espécies está.”

O novo estudo também contribuiu para o debate sobre a extensão da atual crise de extinção. Cientistas concordam que o mundo está ou no meio ou entrando em uma extinção em massa com impactos incalculáveis para os ecossistemas do mundo.

Contudo, a escala imediata da crise e, em particular, a precisão do modelo de relação espécie-área foi questionada no passado. Em 2011, um trabalho importante publicado na Nature argumentava que a relação espécie-área havia superestimado as extinções em até 160%.

Embora o trabalho, de Fangliang He e Stephen Hubbell, não contestasse que a biodiversidade da Terra estivesse enfrentando uma extinção em massa, argumentava que a situação não era tão crítica como tinha sido retratada. No entanto, imediatamente após a apresentação, o trabalho foi exposto a fortes críticas de uma ampla gama de cientistas, incluindo Stuart Pimm.

Mas Pimm comenta que o novo trabalho de Hanski ajuda a “corrigir alguns detalhes importantes” do estudo de 2011 de He e Hubbell, descobrindo que as taxas de extinção não foram exageradas, mas sim, subestimadas.

“Acredito que [o trabalho] está corretíssimo em mostrar que a ‘SAR convencional’ é conservadora; na verdade, eu esperava isso”, observou Pimm, acrescentando que o estudo é “uma ligação importantíssima entre o desmatamento, fragmentação, e perda de espécies […] Ajuda substancialmente nossa compreensão dos principais processos de extinção de espécies nas florestas tropicais.”

Entretanto, as sombrias conclusões do estudo não significam que as espécies nos fragmentos estejam condenadas; ao contrário, Hanski coloca que o trabalho deveria fazer com que legisladores sentassem e tomassem nota.

“A fragmentação importa”, diz ele, “e devemos visar à redução do grau de fragmentação para aumentar as chances de sobrevivência das espécies específicas de florestas.”

Conservacionistas há muito tempo defendem conectar os fragmentos florestais através de corredores que permitam que as espécies se desloquem de um fragmento para outro. Alguns planos de corredores são simplesmente para reconectar um fragmento florestal a outro, enquanto outros são mais ambiciosos.

Por exemplo, o grupo de conservação Panthera propôs o Corredor Jaguar, que conectaria florestas por toda a América Central e do Sul a fim de conservar esse grande felino, as presas das quais depende, e milhares de outras espécies.

“Como a fragmentação é muito comum, e já que os efeitos adversos da fragmentação podem ser muito drásticos para a sobrevivência das espécies, a conservação deveria prestar muita atenção à fragmentação”, afirma Hanski.

Traduzido por Jéssica Lipinski
Fonte: CarbonoBrasil.

Deixe um comentário