Seminário discute como a pós-graduação do Inpa contribui com políticas públicas para a Amazônia

Para interagir com os tomadores de decisão do Estado, o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/ MCTI) realiza, na próxima quarta-feira (13), um seminário para discutir e apresentar produtos da pós-graduação do Instituto que podem fortalecer as políticas públicas para a região.  A atividade comemora os 40 anos da pós-graduação do Inpa, que já titulou 1.823 pesquisadores, sendo 1.446 mestres e 377 doutores.  Os dados são de junho de 2013.

O seminário “Novos conceitos de cooperação: a pós-graduação como um laboratório para políticas públicas para a Amazônia” vai destacar ainda a produção técnica e científica de dois programas do Inpa, que têm recebido relevante cooperação com instituições da Alemanha.  Os programas são o Mestrado profissional em Gestão de Áreas Protegidas da Amazônia (MPGAP) e o Programa de Cooperação Inpa-Max Planck, hoje institucionalizado com o grupo de pesquisas em Ecologia, Monitoramento e Uso Sustentável de Áreas Úmidas.

“Queremos mostrar para um público de tomadores de decisão em várias esferas, como a pós-graduação do Inpa está contribuindo com subsídios importantes para políticas públicas na área da conservação e dos serviços ecossistêmicos na Amazônia”, disse a coordenadora de capacitação do Inpa, Beatriz Teles.

Para o evento são esperadas aproximadamente 80 pessoas, entre tomadores de decisão, políticos, lideranças, representações e técnicos de órgãos que possam se beneficiar da informação que vem sendo gerada pelo Inpa e seus estudantes, por meio das teses e dissertações.  O seminário é aberto e acontece das 9h às 17h, no Auditório da Ciência – Bosque da Ciência, dentro do Campus I do Inpa, com entrada pela Rua Otávio Cabral, Petrópolis, Zona Centro-Sul de Manaus.

Conforme a coordenação, o seminário está dividido em duas mesas de debate cada uma com três a quatro apresentações de estudantes e egressos.  Foram selecionados trabalhos concluídos recentemente para serem apresentados para debatedores que transitam na interface entre a academia e as políticas públicas, a fim de discutir a sua relevância e de que maneira aplicar os resultados.

Para a mesa “A conservação da biodiversidade em áreas protegidas”, a coordenadora é a pesquisadora do Inpa, Rita Mesquita, e os debatedores o diretor da Fundação Amazônia Sustentável, Virgílio Viana; a Secretária Municipal de Meio Ambiente, Kátia Schweickardt; e Henrique dos Santos Pereira, da Universidade Federal do Amazonas.

Na mesa “A Sustentabilidade e a proteção das áreas úmidas da Amazônia”, a coordenação das discussões fica a cargo da pesquisadora do Inpa, Maria Teresa Fernandez Piedade; e os debates por conta de Jochen Schongart do Max-Planck de Química, Mainz, Alemanha; Florian Wittmann do Max-Planck de Química, Mainz, Alemanha; e Paulo Mauricio de Alencastro Graça do Inpa.

Confira a programação

9:00 – Abertura

9:30: A conservação da biodiversidade em áreas protegidas

1. Turismo de natureza – observação de mamíferos aquáticos em dois parques nacionais – Galia Ely de Matos – PPG MP-GAP

2. Conflitos fundiários no Parque Estadual do Rio Negro: as possibilidades de solução.  Elizabete Cunha – PPG MP-GAP

3. O uso da terra na agricultura familiar na Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã – AM – Eduardo Rizzo Guimarães – IDESAM

4. O que mudou na gestão de Unidades de Conservação Federais no Brasil com a divisão do IBAMA e a criação do ICMBIO – Hueliton da Silveira Ferreira – ICMBIO

Debatedores: Rita Mesquita – INPA (Coordenadora), Virgilio Viana – FAS, Kátia Cruz Schweickardt – SEMMAS, Henrique dos Santos Pereira – UFAM.

Intervalo de almoço

14:30h: A sustentabilidade e a proteção das áreas úmidas da Amazônia

1 – Dendrocronologia nas áreas alagáveis amazônicas e sua importância na formulação de políticas públicas – Sinomar F. Fonseca Junior – Coordenador do PROBUC – Cento Estadual de Unidades de Conservação do Amazonas

2 – Distribuição de espécies madeireiras da várzea e os ciclos regulares de inundação – Tatiana Andreza da Silva Marinho – PPG Ecologia – INPA

3 – Primeiros indicativos de mortalidade arbórea em florestas alagáveis impactadas por hidroelétricas – Jochen Schongart – Max-Planck de Química, Mainz, Alemanha.

Debatedores: Maria Teresa Fernandez Piedade – INPA (Coordenadora), Jochen Schongart – Max-Planck de Química, Mainz, Alemanha; Florian Wittmann – Max-Planck de Química, Mainz, Alemanha, Paulo Mauricio de Alencastro Graça – INPA.

17:30h – Encerramento

Fonte: INPA

Deixe um comentário