Estádio inacabado, Arena do Juruá continua interditado no Acre

A construção do estádio Arena do Juruá, em Cruzeiro do Sul (AC), no extremo-oeste brasileiro, já consumiu mais de R$ 20 milhões, mas permanece como mais uma obra inacabada do governo do Acre.

O estádio foi inaugurado em dezembro de 2010, no final da gestão do governador Binho Marques (PT), com capacidade para três mil torcedores, sem que estivesse concluído, contando apenas com arquibancada, no lado oeste, além da sala de imprensa, restaurantes, camarotes e bilheterias.

Ao inaugurá-lo, o governo anunciou que a conclusão integral aconteceria em 2012, quando o estádio alcançaria capacidade para 15 mil torcedores, com arquibancadas em toda a volta.

Até o início do último Campeonato Acreano, neste 2013, o Arena do Juruá permanecia completamente irregular, de acordo com a promotora Alessandra Marques, de Defesa do Consumidor do Ministério Público do Acre.

O Estatuto do Torcedor, que estabelece normas de proteção e defesa, exige que os estádios apresentem quatro laudos (Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Vigilância Sanitária e de engenharia) para pleno funcionamento.

Até janeiro deste ano, o estádio não existia para a prefeitura de Cruzeiro do Sul, pois não possui sequer “habite-se”, documento que atesta que um imóvel foi construído seguindo legislação estabelecida por prefeituras para a aprovação de projetos.

A promotora disse que jogos só serão autorizados caso o governo estadual apresente os quatro laudos, que devem estar formal e materialmente de acordo com a legislação, além do habite-se, que não existia até janeiro.

– É inadmissível pensar na possibilidade de realizar jogos na Arena do Juruá sem as garantias de segurança de todos os presentes, sem o habite-se. Os laudos não cumprem papel meramente formal, não são burocracia como dizem alguns, mas servem para garantir a segurança do torcedor – disse a promotora Alessandra Marques.

O estádio está abandonado e sua estrutura se deteriora a cada ano.

Por: Altino Machado
Fonte: Terra Magazine/ Blog da Amazônia 

Deixe um comentário