Expedição Anaconda mapeou lugares sagrados indígenas do Rio Negro

Conhecedores narram eventos ocrridos em Tapuruquara no tempos em que os primeiros ancestrais subiram o Rio Negro na "canoa da transformação" |Vincent Carelli

Depois de navegar durante as duas últimas semanas de fevereiro pelo Rio Negro, saindo de Manaus, a expedição aportou em Camanaus, São Gabriel da Cachoeira, encerrando mais uma etapa do mapeamento de lugares sagrados indígenas.  Foram cerca de 800 quilômetros percorridos, nos quais foram identificados 23 locais importantes apontados pelos conhecedores indígenas como “lugares sagrados” ou “casas de transformação”.  Esses locais foram os pontos de parada de seus primeiros ancestrais no curso da “viagem de transformação” que os levou até o centro da terra, o território onde até hoje vivem os diversos grupos tukano que compartilham deste corpus mitológico, nas bacias dos rios Uaupés e Apapóris.

Em cada parada os conhecedores dos diversos grupos participantes da expedição – Desana, Pira-Tapuia, Tukano, Tuyuca e Bará – narravam suas histórias e os eventos aí ocorridos, sempre destacando o nome do lugar em sua língua e os tipos de conhecimentos, técnicas, artefatos e outros bens rituais que teriam aí se originado: encantações de cura, cantos, danças, substâncias enteógenas de uso cerimonial, enfeites de penas e outros tantos objetos de valor ritual e cotidiano.  Tudo isso foi registrado pela equipe de cinegrafistas, coordenada por Vincent Carelli do Vídeo nas Aldeias

Fonte: Isa – Instituto Socioambiental

Deixe um comentário

2 comentários em “Expedição Anaconda mapeou lugares sagrados indígenas do Rio Negro

  • 30 de dezembro de 2013 em 19:06
    Permalink

    Prezados Senhores,

    Sou economista, tendo feito alguns cursos sobre meio ambiente e balanço hídrico, bem como viajei muito pelo interior do Pará. Nasci em santarém, e lá até os 17 anos, viajei muito de barco com o meu pai, extrativista, tanto pelo rio Tapajós e Amazonas, quanto pelo rio Arapiuns e Aruan. Atualmente, estou escrevendo um livro sobre o rio Amazonas, afluentes suas cidades, etc,…Portanto,preciso de informações como essa desses santuários indígenas e riquezas naturais da Amazônia ribeirinha.

    Atenciosamente,

    Juarez B. Regis
    juarezregis@superig.com.br

    Resposta
    • 30 de dezembro de 2013 em 19:09
      Permalink

      Quanto a essa foto de um santuário que maravilha.Imagino-me também sentado ali, sentindo a energia da natureza

      Do economista: Juarez B. Regis

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*