Ponte atingida por balsa pode ser derrubada por completo

Relatório técnico vai informar condições da ponte após o acidente

Foto: Rodolfo Oliveira (Agência Pará)

Após o acidente que derrubou parte da quarta ponte da Alça Viária, a Secretaria de Estado de Transportes informou na tarde desta segunda-feira (24) que a ponte pode ser derrubada para a reconstrução total dela. Tudo vai depender do relatório técnico que deve informar as condições da ponte.

De acordo com o secretário de transportes, Eduardo Carneiro, o relatório fica pronto em 48 horas, quando deve ser feito também um orçamento para a reconstrução da ponte. Se o relatório acusar que houve danos em toda a estrutura, a ponte, que tem 800m de extensão, deve ser derrubada por completo.

Para a reconstrução, o prazo estipulado é de 180 dias. Durante este período, duas balsas devem fazer a travessia no local. O serviço será gratuito e deve iniciar ainda hoje.

Ainda são desconhecidas as causas do acidente. A balsa reponsável pelo acidente está a caminho de Belém com os tripulantes que estavam nela no momento do choque com a pilastra. Todos serão ouvidos assim que chegarem no Grupamento de Polícia Fluvial, o que está previsto para às 21h de hoje.

Entenda o caso

Uma balsa que transportava óleo atingiu uma das pilastras da quarta ponte da Alça Viária, que fica sobre o Rio Moju, por volta das 22h30 da noite deste domingo (23). Segundo informações do Corpo de Bombeiros, a balsa destruiu cerca de 50 metros da ponte.

Por causa do acidente, o acesso à região sudeste paraense por meio da ponte está interditado desde ontem. Também há risco de desabamento.

Por: Por: Thays Silva, estagiária, sob supervisão de Elisângela Soares
Fonte: ORM News 

Deixe um comentário

Um comentário em “Ponte atingida por balsa pode ser derrubada por completo

  • 25 de março de 2014 em 16:52
    Permalink

    Graças a Deus que não houve vazamento que poderia trazer dano ambiental muito grave e mais do que isto: que bom que não houve nenhuma morte, de ninguém. Dano material se restaura, mas vida humana não.

Os comentários estão desativados.