Isolado do país, Acre decreta estado de calamidade pública

Trechos da BR-364 estão inundados pela cheia do Madeira O governador Tião Viana (PT) decretou estado de calamidade pública no

O governador Tião Viana (PT) decretou estado de calamidade pública no Acre por causa do desabastecimento decorrente do fechamento da BR-364, que é a única via de ligação terrestre do Estado com o restante do país. O Acre está isolado do restante do país há 20 dias porque mais de 24 quilômetros da BR-364 estão submersos nas águas da cheia histórica do Rio Madeira.

O Madeira, cujo nível chegou a atingir 19,74m, em 30 de março, às 8h14 desta terça-feira media 19,51m, em Porto Velho (RO), de acordo com dados da Agência Nacional de Águas. As inundações ocasionadas pelas águas do Madeira atingiram a BR-364, sendo que, em alguns trechos, a lâmina d’água chegou a ultrapassar 1,50m, impedindo o tráfego de veículos.

O decreto do governo assinala que o bloqueio da rodovia federaltem provocado o desabastecimento gradual e crescente de itens básicos para manutenção das atividades públicas e privadas no Estado, em especial alimentos, combustíveis, medicamentos, insumos hospitalares, insumos para o tratamento de água, além de outros.

No decreto, o governador do Acre, que dizia que a situação estava sob controle, considera que apesar de todas as ações adotadas pelo Estado, os danos e prejuízos decorrentes do comprometimento do transporte pela B$-364 há mais de mês superam a capacidade de resposta do Estado.

A situação de desabastecimento, segundo o governo, afeta diretamente toda a população do Acre, acarretando riscos à saúde pública, tratamento de água, obras da construção civil, distribuição de combustíveis e ensino.

Na sexta-feira (4), o governador de Rondônia, Confúcio Moura (PMDB), decretou estado de calamidade pública por causa das inundações causadas pelo Rio Madeira. Em Rondônia, existem 29,5 mil pessoas afetadas pela cheia do Madeira. A situação mais grave é em Porto Velho e seus distritos, onde 3.736 famílias tiveram que deixar suas casas.

No único shopping do Acre, em Rio Branco, oito dos dez sanduíches do cardápio da franquia Bobs estão com aviso de “esgotado” por causa do deasbastecimento. Até a máquina de suco exibe o mesmo aviso por causa da crise no desabastecimento.

Existem duas balsas operando na travessia do Madeira com destino ao Acre. Elas demoram 16 horas para subir e mais 14 horas para descer o rio transportando cada uma no máximo oito carretas.

Por: Altino Machado
Fonte: Blog da Amazônia/ Terra Magazine 

Deixe um comentário