‘Rojão dentro da arena é inadmissível’

Torcedores chilenos fizeram uma grande festa na Arena Pantanal, mas parte deles colocou em risco a integridade de terceiros

Comitê Organizador Local da Copa do Mundo considerou grave a falha que permitiu a entrada de rojões dentro da Arena Pantanal, na sexta

O COL (Comitê Organizador Local da Copa do Mundo) classificou como falha inadmissível de segurança a entrada de fogos de artifício na partida entre Chile e Austrália, na sexta-feira à noite, em Cuiabá.

Rojões foram estourados ao menos três vezes dentro da Arena Pantanal durante o jogo, vencido por 3 a 1 pela equipe sul-americana.

“Foi inadmissível. Tanto o comportamento do torcedor como a nossa falha. Vamos reformar a segurança e melhorar a revista da torcida”, disse o porta-voz Saint-Clair Milesi, durante entrevista coletiva ontem.

Segundo ele, há informações de que o torcedor que portava o rojão já foi identificado e a polícia está investigando o caso. A reportagem tentou confirmar esta informação com autoridades de Segurança Pública no Estado. Ninguém confirmou a identificação do torcedor.

Os rojões começaram a ser estourados ainda no primeiro tempo, sempre vindo do lado da torcida chilena, que era maioria no estádio. Mas no terceiro gol, no final da partida, eles voltaram ainda com mais força.

Os rojões não foram a única falha na segurança. Um torcedor brasileiro foi detido após lançar uma lata de cerveja em um steward, segurança privado que trabalha para a Fifa. O segurança ficou levemente ferido.

O homem, cuja identidade não foi revelada, acabou detido momentaneamente. Levado ao Juizado Especial instalado dentro da arena, ele assinou um termo circunstanciado e vai responder processo por lesão corporal leve. Por ser um crime menor potencial ofensivo, o torcedor deverá pagar multa ou prestar serviços comunitários caso seja condenado.

Ainda não se sabe como o torcedor teve acesso à lata. A bebida pode ter sido levada para dentro do estádio dentro de mochilas. Várias pessoas relataram à reportagem do Diário que a revista na entrada do estádio era falha.

A reportagem do Diário flagrou, no segundo tempo de jogo, um torcedor chileno vendendo latinhas de cerveja Itaipava de 269 mililitros. Ele portava um suporte com capacidade para cerca de 20 latas. A Itaipava é produzida pela cervejaria Petrópolis, concorrente da Ambev, uma das patrocinadoras da Copa do Mundo.

Uma outra possível explicação pode estar em erros dentro da arena. Em razão da demora no atendimento nos bares, muitos atendentes deixaram de seguir a recomendação de colocar a cerveja dentro de recipientes plásticos. Na pressa, entregavam a lata diretamente ao torcedor.

Entrar nos estádios da Copa com fogos de artifício é proibido. Ou seja, houve um erro de segurança na revista do torcedor.

A falha aconteceu dois dias antes do maior desafio de segurança do Mundial até o momento.

A Argentina estreia no domingo contra a Bósnia. Além de Messi, Higuaín e os outros astros da equipe bicampeã mundial, desembarcaram no Rio os temidos barra bravas, a facção mais violenta da torcida argentina.

“Os torcedores têm que estar cientes de que esse é um jogo de Copa do Mundo, não é a mesma coisa de campeonatos nacionais. A revista da segurança tem que ser exata nesta partida”, completou Milesi.

Fonte: Diário de Cuiabá

Deixe um comentário