Funai e Ibama desativam garimpos ilegais no interior da Terra Indígena Kayapó

Entre os dias 26 de setembro 01 de outubro, servidores da Funai e do Grupo Especial de Fiscalização–GEF, do Ibama, empreenderam mais uma operação no sul do estado do Pará contra a atividade garimpeira ilegal, desativando um total de 21 Balsas, 7 escavadeiras hidráulicas (PC), 5 caminhões, 1 caminhonete, 1 trator de esteira, 1 motor, além de 46 estruturas de apoio ao garimpo.

A atividade garimpeira vem causando inúmeros danos ao meio ambiente, bem como à saúde e à organização social da população indígena Kayapó, e tornando insalubres as águas dos rios Branco e Fresco, que banham os municípios de Ourilândia do Norte, Tucumã e São Félix do Xingu, estendendo seus malefícios a toda população desses municípios.

No mês de julho deste ano, a Funai com apoio do Ibama, notificou os garimpeiros a deixarem a terra indígena, informando-os acerca da ilegalidade das atividades. Como não houve a paralisação das atividades garimpeiras no interior da TI, foi deflagrada, no último dia 26 de setembro, uma operação com o objetivo de desativar todos os garimpos que afetam o povo Kayapó. A ação teve como alvo principal os grandes garimpos de barranco e as balsas que provocam o açoreamento e o envenenamento dos rios da região.

Esta operação corresponde a uma etapa de uma série de ações previstas para a TI Kayapó, cujo objetivo é pôr fim aos garimpos ilegais, garantindo assim, a proteção do meio-ambiente e o bem-estar à comunidade indígena, bem como à população dos municípios afetados por essa prática.

Cabe ressaltar que os prejuízos provocados por essa prática ilegal ultrapassam os danos ambientais, envolvendo uma série de outros crimes, os quais vão desde a formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, contrabando e descaminho, além da sonegação fiscal que afeta, sobretudo, os municípios que deixam de arrecadar tributos.

A Funai e o Ibama continuarão combatendo os garimpos ilegais em terras indígenas, atuando permanentemente por meio de ações estratégicas.

Fonte: Funai

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*