Comissão mista propõe metas mais ousadas de redução de emissões de CO2

Deputados e senadores propõem metas mais ambiciosas de redução da emissão de gases poluentes pelo Brasil. A intenção é que a meta seja incorporada no compromisso que será assumido pelo país, seguindo o que foi acordado na Conferência da Organização das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-20), que terminou no último final de semana, em Lima, no Peru.

A proposta, aprovada pela Comissão Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas, é que o Brasil reduza, até 2030, 15% do valor agregado de emissões, e que tome por base o ano de 1990. Na prática, segundo o presidente da comissão, deputado Alfredo Sirkis (PV-Rj), “significa dobrar a meta brasileira. A meta atual, traduzida, gera redução em cifras absolutas de 5%. Agora, queremos agregar mais 10% no decorrer dos próximos 15 anos, quando a tarefa de reduzir a emissão é mais complexa”.

A proposta seria uma mudança na forma como é estipulada a meta, que hoje é de reduzir 38% sobre a curva projetada de emissões até 2020, tendo como base o ano de 2005. “A proposta aprovada é de uma meta mais ambiciosa”, diz o deputado.

A COP-20 aprovou o rascunho de um acordo de redução de emissões de gases de efeito estufa, que deve ser a base para um pacto global histórico no próximo ano, em Paris. O projeto foi delineado por delegados de 195 países, que devem anunciar, nos próximos meses, seus compromissos para reduzir as emissões globais entre 40% e 70% até 2050. A meta é compatível com a necessidade de limitar o aumento da temperatura global a 2 graus Celsius (2ºC).

Para que o Brasil contribua para o acordo global, texto aprovado pela comissão destaca a agricultura como o setor que mais pode contribuir para a redução das emissões de gás carbono. Entre as medidas que podem ser tomadas está a expansão do programa do governo federal voltado para a agricultura de baixo carbono, chamado de Plano ABC: maior assistência técnica aos produtores, financiamentos facilitados, simplificação do sistema de crédito e melhor divulgação.

Além disso, a comissão aponta a necessidade de mudanças no sistema energético nacional, com maior estímulo a fontes renováveis e à geração de usinas de pequeno porte, bem como ao aprimoramento do uso do solo, tanto rural quanto urbano.

Segundo Sirkis, o relatório aprovado também sugere que o país invista US$ 30 milhões no Fundo Verde para o Clima das Nações Unidas já no próximo ano, uma questão que não está em discussão pelo governo. O fundo foi criado com o objetivo de gerir transferências para que países vulneráveis às mudanças climáticas possam enfrentar as consequências das alterações e prevenir o seu agravamento. A meta é que o fundo receba US$ 100 bilhões anuais a partir de 2020. Neste ano, o valor chegou a US$ 10 bilhões.

Por: Mariana Tokarnia
Fonte: Agência Brasil – EBC
Edição: Stênio Ribeiro

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*