Dilema entre abundância de alimentos e fome marca rotina de cozinheiro no Haiti

Porto Príncipe (Haiti) - O chefe de cozinha Aílton Prudêncio prepara comida das tropas da MinustahMarcello Casal/Agência Brasil

Um chefe de cozinha acostumado a trabalhar em restaurantes conceituados de Brasília e São Paulo hoje serve os soldados brasileiros da Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (Minustah), em Les Cayes, cidade haitiana. A rotina do cozinheiro Aílton Prudêncio, ou sargento Prudêncio, é marcada por um dilema: ter fartura de alimentos e de ingredientes para preparar a comida das tropas e atuar num país onde o povo passa fome.

“É um contraste bastante grande. Nós temos alguns lugares no nosso país [Brasil] que também passam por isso, mas quando a gente vem para a missão [no Haiti] olha com outros olhos, que é a função no momento, é bastante doído”, disse. “Olhar e ver que uma família muitas vezes não tem nem mesmo o básico, que é um arroz, um feijão, como no Brasil, para colocar à mesa, de fato, dói bastante.”

Militar do exército há 24 anos, Prudêncio é lotado no Superior Tribunal Militar, em Brasília, e presta consultoria para alguns restaurantes e chefes da capital federal. Ele explica que quando entrou para o Exército foi trabalhar com informática, sua área de formação. Mas, logo, se enveredou por outros caminhos.

De sorriso fácil e fala agitada, ele usa a culinária para aproximar a tropa do país de origem. Com pratos típicos brasileiros ele tenta amenizar a saudade que os militares sentem do Brasil. Farofa, arroz, feijão e pudim de leite, de sobremesa, estão na lista do menu.

Sargento Prudêncio conta que a paixão pela culinária veio cedo. “Meus pais sempre gostaram de cozinhar. Então eu já sabia fazer uma coisa ou outra”, contou. “Em pouco tempo já estava cozinhando para os companheiros. Apaixonei pela cozinha e é o que eu faço hoje com o maior prazer, dentro e fora do Exército.”

Durante os seis meses em que ficará no Haiti, Prudêncio atuará no Batalhão de Engenharia, responsável pela construção de estradas e poços artesianos, por exemplo. As expectativas são positivas: “Nossa tropa está bem coesa e muito alegre. Está todo mundo feliz e realizado com a missão. Eu devo aprender muito com essa missão. Não só de gastronomia, mas com a alegria que o povo haitiano tem para com a vida.”

Prudêncio pretende ensinar aos colegas militares um pouco mais sobre gastronomia. Caracterizado pela persistência, o sargento disse que quando há “paixão” no que se faz existe a vontade de ensinar o que se sabe. “Como eu tenho paixão e alegria pela gastronomia, eu tento sempre passar [o conhecimento] para quem trabalha comigo, seja no mundo militar ou até mesmo no nosso mundo civil.”

Por: Ana Graziela Aguiar
Fonte: Agência Brasil – EBC
Edição: Talita Cavalcante 

Deixe um comentário