Ministério Público denuncia militares por crimes na Guerrilha do Araguaia

O Ministério Público Federal no Pará denunciou à Justiça nesta quinta-feira (29) dois militares da reserva sob acusação de homicídio qualificado e ocultação de cadáver durante a Guerrilha do Araguaia.

Lício Ribeiro Maciel, 84, conhecido como Major Asdrúbal, foi denunciado sob acusação de três homicídios e ocultação de cadáver. Já Sebastião Curió Rodrigues de Moura, o Major Curió, 76, é acusado de ocultação de cadáver.

A Guerrilha do Araguaia é um dos episódios mais emblemáticos do combate à ditadura militar no Brasil. Entre 1968 e 1975, guerrilheiros se estabeleceram às margens do rio Araguaia, entre os Estados do Pará, Maranhão e Tocantins. Oriundos do PcdoB, eles pretendiam conquistar o apoio de camponeses da região para fomentar uma revolução socialista no país.

Os militares, porém, descobriram o plano e prepararam emboscadas e operações para eliminar a guerrilha, que mataram dezenas de militantes.

Na denúncia apresentada nesta quinta, as vítimas são os guerrilheiros André Grabois, João Gualberto Calatrone e Antônio Alfredo de Lima, mortos numa emboscada em 13 de outubro de 1973.

Segundo o Ministério Público Federal, as mortes ocorreram por motivo torpe –nesse caso, “a busca pela preservação do poder usurpado no golpe de 1964”. O uso de violência e do aparato estatal, com abuso de autoridade, são outras qualificadoras dos crimes.

“Tais condutas, muito além de medidas destinadas a restabelecer a paz nacional, consistiram em atos autoritários e criminosos perpetrados por um grupo que visava eliminar, valendo-se do aparato repressivo do Estado, todos os dissidentes políticos instalados na região”, afirma a denúncia.

Os procuradores ainda pedem o cancelamento das aposentadorias dos militares, que hoje vivem em Brasília e no Rio de Janeiro, além do pagamento de danos às famílias das vítimas.

Contatados, os advogados dos militares disseram considerar a acusação “estapafúrdia”, já que a Lei da Anistia extinguiu a punibilidade de agentes do Estado e de militantes por crimes cometidos durante a ditadura.

A Justiça ainda não acatou a denúncia. Só depois da decisão do juiz é que os denunciados viram réus e respondem pelas acusações.

DEPOIMENTOS

Informações colhidas durante cinco anos de trabalho de uma força-tarefa do Ministério Público Federal, além de depoimentos dados por vítimas e militares à Comissão Nacional da Verdade e à imprensa, fundamentam a denúncia.

De acordo com o documento, a emboscada ocorreu enquanto o grupo levantava acampamento em um sítio, em São Domingos do Araguaia, no sudeste do Pará. Depoimentos dos próprios denunciados à imprensa, que são citados na denúncia, confirmam que o Exército metralhou e ocultou os corpos.

“Olhei, eles entraram em posição e eu me levantei. Quase encostei o cano da minha arma em André Grabois. Ele deu aquele pulo, e a arma já estava em minha direção, não deu outra”, diz um trecho de depoimento de Lício Maciel, dado em 2005 em sessão solene na Câmara dos Deputados.

As ossadas ainda foram retiradas do local anos depois, na chamada “Operação Limpeza”, sob responsabilidade de Curió.

Para o advogado Mário Gilberto de Oliveira, que defende o Major Curió, a denúncia é “requentada”. Em outra ação contra o militar, ajuizada em 2012, por sequestro na Guerrilha do Araguaia, a defesa conseguiu o trancamento do processo, com base na Lei da Anistia.

“São denúncias estapafúrdias. O STF [Supremo Tribunal Federal] já decidiu inúmeras vezes que a Lei da Anistia está em vigência, e que tanto os militares quanto os civis que participaram daquele conflito foram anistiados”, declarou Oliveira à Folha. “Isso aí é gente que está querendo holofote.”

Por: Estelita Hass Carazzai
Fonte: Folha de São Paulo

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*