Após Câmara ser atingida por cheia, vereadores se ‘mudam’ para Aleac

Câmara de Rio Branco passará por reforma após enchente. Câmara de Rio Branco passará por reforma após enchente.

Plenário da Câmara de Vereadores de Rio Branco foi um dos locais atingidos pelas águas do Rio Acre (Foto: Fernanda Flores/Asscom)

Localizado no bairro Seis de Agosto, um dos atingidos pela enchente do Rio Acre, o prédio da Câmara Municipal de Rio Branco também foi invadido pela águas. Somente no plenário, foram em torno de 80 centímetros de água, de acordo com o presidente da casa, vereador Artêmio Costa (PSDC). Por isso, desde terça-feira (11), as sessões passam a ocorrer na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), das 18h às 21h.

“Solicitamos o espaço da Aleac pelo menos até o dia 31 deste mês, que dariam 9 sessões. Porque elas ocorrem nas terças, quartas e quintas-feiras. É o tempo que precisamos para fazer uma reforma no prédio. As paredes são de gesso, os cabeamentos de sonoplastia é no térreo. Temos que refazer tudo para poder voltar e isso demora um pouco”, explica.

Segundo o vereador, na parte externa do prédio, como o estacionamento, o estrago foi ainda maior. A água teria chegado a aproximadamente 1,5 metro. Somente a parte administrativa funciona normalmente, pois se encontra na parte superior do local.

“O pessoal do administrativo está tendo que trabalhar em espaço reduzido, porque tivemos que subir as coisas do térreo. Ontem [terça-feira, 9], foi religada a parte de internet. Hoje, ainda estamos sem água, mas será ajustada essa questão”, diz.

Costa afirma ainda que se a reforma não ficar pronta até o final de março, a Câmara deve solicitar mais tempo na utilização do espaço da Aleac. “Se precisarmos de mais tempo, vamos solicitar. Sei que teremos um pouco de dificuldade para trabalhar na Aleac, porque se precisarmos de alguma coisa na hora, não vai dar para fazer, mas teremos condições de deliberar e atender a comunidade. E qualquer emergência também vamos votar, porque não podemos parar nosso trabalho”, acrescenta.

Cheia histórica

Rio Branco viveu a maior enchente da história do município, em que o Rio Acre alcançou a marca de 18,40 metros. As águas alcançaram 53 bairros e tirou de casa 10,4 mil pessoas. Porém, afetou diretamente mais de 87 mil pessoas. A enchente atingiu ainda os municípios de Assis Brasil, Epitaciolândia, Brasileia, Xapuri e Porto Acre.

No dia 4, a Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sedec) reconheceu o estado de calamidade pública por rito sumário para as cidades de Rio Branco e Brasileia.

Nesta terça-feira (10), a União liberou R$ 4,5 milhões para a execução de ações de socorro, assistência e restabelecimento dos serviços essenciais nos municípios de Rio Branco, Xapuri, Epitaciolândia, Sena Madureira e Assis Brasil.

Por: Caio Fulgêncio
Fonte: G1 

Deixe um comentário