Após atingir 4ª maior cheia da história, rio Negro começa a entrar na vazante, diz CPRM

Desde o dia 29 de junho, considerado o ápice da cheia, onde foi registrado 29,66 metros, o rio que banha a capital Manaus já desceu cerca de dez centímetros

O rio Negro apresentou nesta segunda-feira (6) a marca de 29,56 metros, 10 centímetros a menos do pico registrado no último dia 29 de junho, quando a cheia atingiu seu ápice, com 29,66 metros, e se tornou a quarta maior enchente da história do Amazonas.

No último dia 19 de maio, o rio Negro atingiu a marca de 28,97, quando foi decretada situação de emergência na cidade de Manaus. A cheia desse ano fica apenas 3 centímetros atrás da cheia registrada de 1953. As outras duas foram a de 2009 e a cheia histórica de 2012, quando a capital registrou a cota de 29,97 metros.

“Calcula-se que em cerca de 20 dias, a cota saia do nível de inundação, que é a marca de 29 metros. O rio começou a baixar a partir desse ápice no dia 29 de junho”, afirma André Santos, pesquisador de Geociência do Serviço Geológico do Brasil (CPRM).

No mesmo período do ano passado, o nível do rio se manteve na marca de 29,47 metros, cerca de 19 centímetros a menos do registrado este ano.

De acordo com a Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Direitos Humanos (Semmasdh) cerca de três mil famílias de 15 bairros de Manaus atingidos pela cheia foram beneficiados pelo auxílio “SOS Enchente”, no valor de R$ 300.

Por: Alexandre Pequeno
Fonte: A Crítica 

Deixe um comentário