Eletronorte prevê retomada do ‘Luz Para Todos’ em 150 dias, no Amapá

Programa pretende levar energia elétrica a comunidades rurais. Obras estão paradas desde 2010 nos municípios amapaenses.

A Eletronorte anunciou nesta segunda-feira (6) o prazo de pelo menos 150 dias para a retomada das obras do programa ‘Luz Para Todos’, iniciativa que prevê levar energia elétrica para comunidades rurais do Amapá. Elas estavam paradas desde 2010.

A previsão de reinício das obras ocorreu depois de uma reunião realizada na quinta-feira (2) com o governo do estado e a Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA). As entidades são parceiras no projeto com contrapartidas financeiras. A retomada veio depois da cobrança do Ministério de Minas e Energia (MME), que estendeu o programa até 2018.

De acordo com o coordenador do ‘Luz Para Todos’ no Amapá, Paulo Silva, a Eletronorte realiza desde abril estudos para reinício das obras no interior do Amapá. A construção foi dividida em quatro blocos.

“Iniciamos em abril um trabalho com novos levantamentos para a gente poder formatar um programa de obras para licitar. Mas a previsão de reinício é de aproximadamente 150 dias porque o processo licitatório exige um tempo. A partir disso, acredito que a gente esteja com empresas contratadas”, comentou Silva.

A previsão de retomada é para a segunda etapa, que tem estimativa de atender pouco mais de 12 mil habitações. O custo total das etapas está calculada em R$ 155 milhões, sendo 85% do Governo Federal, 10% da CEA e 5% do governo do Amapá.

“O recurso está disponível porque tínhamos um contrato com a Eletrobrás para 12.905 ligações. Atendemos uma parte dela e falta o restante”, disse Paulo Silva.

As obras foram divididas em quatro blocos, sendo que o 2 e 3 estavam em execução no estado, mas tiveram as obras paralisadas. As empresas responsáveis pela execução alegaram incapacidade para continuar os serviços.

O bloco 2 correspondente a Macapá e Itaubal. As obras para o bloco 3, que também não foram concluídas pela empresa contratada, compreende Cutias, Ferreira Gomes, Tartarugalzinho, Porto Grande e Pedra Branca do Amapari.

Os blocos 1 e 4, que não foram iniciados, também dependem de licitação. Eles ainda chegaram a ter publicação de edital, mas não houve empresas interessadas em participar da concorrência. A primeira etapa abrange Laranjal do Jari, Vitória do Jari, Mazagão e Santana. O quarto bloco compreende Oiapoque, Calçoene, Amapá, Pracuúba e Serra do Navio.

A proposta é que após a retomada da construção da segunda etapa, a CEA possa assumir o restante dos blocos no ‘Luz Para Todos’, no Amapá.

“Como ano passado, o governo pediu as obras para a CEA, exigiu um tempo e houve cobrança do Governo Federal. Então, o ministério determinou que a gente concluísse o que foi iniciado pela Eletronorte. A concessionária faria o restante ainda que tivesse pendente”, explicou o coordenador do programa no Amapá.

Por: Abinoan Santiago
Fonte: G1 

Deixe um comentário