Greenpeace responde alegações de associação madeireira do Pará

Em comunicado, Greenpeace responde nota feita pela Associação das Indústrias Exportadoras de Madeira (Aimex) do Estado do Pará a respeito de relatório que expõe madeira ilegal

A mais recente publicação do Greenpeace sobre a extração ilegal de madeira na Amazônia brasileira, o relatório A Crise Silenciosa da Amazônia – Licença para lavar: garantida, publicado em junho de 2015, mostrou novamente graves fraudes no sistema de controle madeireiro no país, que permitem que a madeira ilegal seja comercializada com papéis oficiais.

O relatório trouxe o caso do plano de manejo da Agropecuária Santa Efigênia, localizado no município paraense de Uruará, que superestimou consideravelmente a quantidade da espécie Ipê no inventário florestal da área com o objetivo de gerar créditos excedentes para esquentar madeira ilegal.

No início de julho de 2015, a Aimex (Associação das Indústrias Exportadoras de Madeira do Estado do Pará), enviou uma nota a uma série de associações comerciais da Europa contestando o relatório que expunha as falhas no sistema de controle madeireiro no país. Em resposta, o Greenpeace elaborou um comunicado comentando as alegações da Aimex. Além de conter informações incorretas, em nenhum dos pontos a nota da Associação foi capaz de contestar os fatos apresentados no relatório do Greenpeace.

A documentação oficial do Brasil não garante, de maneira alguma, a origem legal da madeira negociada e é inaceitável que a indústria madeireira continue operando com níveis altíssimos de ilegalidade.

A questão da madeira ilegal na Amazônia brasileira é grave e tanto o governo quanto a indústria têm o dever de combate-la. Convidamos a AIMEX a também fazer parte da solução e a fazer o possível para ajudar a limpar um setor que está fora de controle e plenamente contaminado por madeira ilegal – em vez de sair em defesa de comportamentos criminosos.

Veja aqui o comunicado completo do Greenpeace.

Fonte: Greenpeace Brasil

Deixe um comentário

2 comentários em “Greenpeace responde alegações de associação madeireira do Pará

  • 29 de dezembro de 2015 em 15:26
    Permalink

    O grande mal nesse país, é as pessoas acharem que podem fazer de tudo sem observar às normas (LEIS) que regulamentam direitos e obrigações dos cidadãos, o que configura em tese Infração Penal e, mesmo assim, o cidadão infrator acha um meio de burlar a legislação para tornar suas atividades aparentemente legais…

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*