Índios Matis ocupam prédio da Funai em Atalaia do Norte após retirarem coordenador à força

A assessoria de imprensa do órgão em Brasília confirmou a ocupação, mas desconhece as reivindicações dos indígenas

O coordenador Bruno Pereira foi retirado à força do prédio da Funai no município por indígenas armados (Reprodução/Blog Jambo Verde)
O coordenador Bruno Pereira foi retirado à força do prédio da Funai no município por indígenas armados (Reprodução/Blog Jambo Verde)

Insatisfeitos com a atual coordenação da Fundação Nacional do Índio (Funai) no município amazonense de Atalaia do Norte (a 1.138 quilômetros da capital Manaus), aproximadamente 100 indígenas das etnias Matis, Marubo e Kanamari, dentre outras, ocuparam a sede da órgão na manhã desta terça-feira (19). Os indígenas chegaram a retirar forçadamente o coordenador da unidade, Bruno Pereira, do qual pedem a exoneração do posto.

A informação foi confirmada por um dos integrantes do Movimento dos Povos Indígena do Vale do Javari, Manoel Chorimpa. Segundo ele, durante toda a tarde desta terça-feira, os manifestantes participaram de um reunião para definir um nome que possa ser indicado para assumir a coordenação no município. Nesta quarta-feira, os indígenas devem concluir o documento com a indicação de alguém para assumir o cargo.

O documento será encaminhado à sede nacional da Funai, em Brasília, ainda nesta quarta. “A insatisfação vem desde o ano passado, quando houve um conflito entre as etnias Matis e Korubo. Os Matis pediram para que a Funai monitorasse as aldeias deles, por estarem sendo intimidados pelos Korubo, mas nada foi feito”, explicou Chorimpa.

Por enquanto, os indígenas continuam ocupando a sede da Funai no município e só pretendem sair quando o novo coordenador for escolhido. A reportagem de A CRÍTICA tentou contato com o coordenador, mas ele não atendeu as ligações da equipe.

A coordenação regional do Vale do Javari, com sede no município de Atalaia do Norte, tem sob sua jurisdição seis Coordenações Técnicas Locais (CTLs), trabalhando especificamente com os povos Matis, Mayuruna e Marubo.

Por: Kelly Melo
Colaborou Rafael Seixas
Fonte: A Crítica

Deixe um comentário