Contra ‘vazio cartográfico’, Amazônia deve ter 1,8 milhão de km² mapeados

Levantamento cartográfico reunirá banco de informações da região. Iniciativa deve gerar mais segurança para navegação e defesa de fronteiras.

Amazonas é um dos estados que estão sendo mapeados (Foto: Adneison Severiano/G1 AM)
Amazonas é um dos estados que estão sendo mapeados (Foto: Adneison Severiano/G1 AM)

Uma iniciativa conjunta das Forças Armadas e diversos órgãos federais pretende reduzir a falta de informações cartográficas de uma área de 1,8 milhão de km² da Amazônia Legal.  O Projeto Cartografia da Amazônia promete atualizar e concluir as cartografias terrestres, geológicas e náuticas da região até 2018.  O mapeamento permitirá o reforço das ações de defesa na faixa de fronteira e a segurança da navegação pelos rios da Amazônia.

O diretor-geral do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam), Rogério Guedes Soares, explicou que havia uma espécie de “vazio cartográfico” da Amazônia. Dos 5,2 milhões de km² da Amazônia Legal, 1,8 milhão de km² não tinham informações cartográficas do padrão considerado adequado. Da área total são 1.644.600 km² são de área de floresta e 155.400 km² de área de não-floresta. O Projeto Cartografia da Amazônia deverá reduzir esse déficit.

“Temos um vazio cartográfico, que é exatamente o vazio de informações da parte de navegação, geológica e terrestre para utilização mais adequada da região. Nesse projeto a gente atualiza as informações e coloca em um padrão mais adequado”, esclareceu.

O projeto prevê atualização e conclusão das cartografias terrestre, geológica e náutica dos 35% da Região da Amazônia sem informações na escala de 1:100.000. Até o final do projeto 1,8 milhão de km² estarão cartografados na escala de 1:50000, que seria melhor do que a planejada, propiciando mais qualidade e precisão cartográfica, de acordo com o Censipam.

Necessidades

Pelo projeto foram construídos cinco navios para a Marinha realizar a cartografia náutica fluvial permanentemente.

“A atualização contínua das cartas náuticas são fundamentais para a segurança da navegação, pois os rios estão em constante movimento, provocando alterações no seu curso. É através das hidrovias que são escoadas mais de 95% das exportações da região. Constantemente são transportados produtos como: caulim, celulose, bauxita, soja, fertilizantes, petróleo, GLP [Gás Liquefeito de Petróleo] e dos produtos eletroeletrônicos, automotivos, óticos, químicos, termoplásticos e metalúrgicos da Zona Franca de Manaus”, comunicou o Censipam.

Com os levantamentos, a segurança da navegação para os navegantes, passageiros e cargas deve ser ampliada na Amazônia. “Com relação à navegação existe uma necessidade de atualização regular das cartas para verificar profundidade e leitos, que são dados úteis para navegação na região”, comentou Rogério Guedes.

Segundo Censipam, as informações cartográficas terrestres e geológicas auxiliam no conhecimento da Amazônia, no monitoramento de segurança e da defesa nacional, especialmente as áreas de fronteiras.

“As cartografias também têm auxiliado a região no planejamento e execução de projetos de infraestrutura como: rodovias, ferrovias, gasodutos e hidrelétricas; demarcação de áreas de assentamentos; mineração; agronegócio; elaboração de zoneamento ecológico e econômico; ordenamento e segurança territorial; escoamento da produção; e desenvolvimento regional”, ressaltou o coordenador do projeto.

Operação de guerra

O projeto estava previsto para ser concluído no início de 2015. Entretanto, o prazo foi adiado e a conclusão deve ocorrer em 2018. Até o momento, o projeto já atingiu 71,14% das suas metas físicas e 67,35% de suas metas orçamentárias. Isso significa que já foram executados 14.289 produtos cartográficos de 20.227 previstos. Foram investidos de R$ 237.122.524,00 dos R$ 333.090.684,65 previstos.

“Percebemos que o projeto era muito mais complexo do que foi idealizado. A organização do projeto era semelhante a uma operação de guerra para chegar aos pontos marcados para as aeronaves que fazem o levantamento com radar. Entramos em áreas onde antes nunca se tinha entrado para fazer esse trabalho. São áreas muito remotas”, justificou o diretor-geral.

Divulgação

Todo o material cartográfico será disponibilizado nos portais Diretoria de Serviço Geográfico (DSG) e da Diretoria de Hidrografia e Navegação (DHN) e do CPRM. O Censipam também trabalha na criação de banco de dados para colocar alguns produtos no site do órgão.

As ações do projeto começaram em 2008 e têm como foco os estados do Amapá, Amazonas, parte do Acre, Maranhão, Mato Grosso, Pará e Roraima. O projeto é coordenado pelo Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam) e tem como executores a Marinha, o Exército, a Aeronáutica e o Serviço Geológico do Brasil (CPRM).

info__cartografia_amazonica__

Fonte: G1

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*