Manejo da castanha do Brasil é tema de discussão em Porto Velho

Acontece nessa terça-feira, dia 1º de março, o encontro de Consolidação da Cadeia de Valor de Castanha do Brasil no Estado de Rondônia, com o objetivo de discutir uma melhor estruturação da cadeia de produção e manejo, com a atuação de diferentes esferas de governo e da sociedade civil, para estimular a atividade sustentável.

Segundo o Pacto das Águas, a produção da castanha em Rondônia pode ser maior, já que o projeto apóia a produção dentro de reservas indígenas, e mais de 33% do território rondoniense tem capacidade para desenvolver o manejo da castanha. No entanto, apesar ser uma atividade econômica importante no estado, requer uma melhor estruturação de sua cadeia, garantindo o acesso ao produtor, seja indígena ou da agricultura familiar, o acesso a políticas universais e específicas.

Para se ter uma ideia do potencial da produção de castanha em Rondônia, o estado conta com 87 áreas protegidas que correspondem a 63% de sua extensão. Deste total, 73 são áreas protegidas de uso sustentável, das quais 30 são terras indígenas e 24 são Reservas extrativistas, o que representa uma extensão territorial de mais de 7,5 milhões de hectares. Juntas, correspondem a 33,65 % do território de Rondônia, habitadas por mais de 20 etnias, além de outras populações tradicionais, abrangendo uma população de 15 mil pessoas.

O encontro ocorre nesta terça-feira, no auditório da Sesau, com a participação de representantes do Ministério do Meio Ambiente (MMA), Fundação Nacional do Índio (Funai), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), além do governo estadual e do projeto Pacto das Águas.

Entre as propostas a serem discutidas estão a constituição de um programa de boas práticas de manejo dos castanhais e possibilidades de acesso da castanha no mercado institucional, por meio da criação de um programa estadual de merenda escolar com produtos da agrobiodiversidade

Fonte: Rondônia Agora

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*