Amazonas: Indígenas cobram nomeação de gestor da Fundação Estadual do Índio

Lideranças se reuniram em Manaus para pressionar governador; eles querem escolher o diretor-presidente do órgão

Lideranças indígenas do Amazonas se reuniram na capital do Estado, na manhã desta terça-feira (15), para pressionar o governador José Melo a nomear um gestor para a Fundação Estadual do Índio (FEI). De acordo com os indígenas, eles já escolheram os nomes que devem integrar o órgão, mas o Governo nomeou outras pessoas à revelia das lideranças.

De acordo com o líder indígena Raimundo Atroari, nos dias 25 e 26 de fevereiro, o Governo do Amazonas reuniu lideranças indígenas de todo o Estado no Centro de Treinamento Padre José de Anchieta (Cepan), em Manaus. O objetivo era decidir por meio de votação quem deveria integrar a gestão da FEI.

Ele mostrou papéis onde consta a programação do evento e diz que o próprio Governo do Amazonas mandou buscar as lideranças indígenas para participarem da reunião. Raimundo foi o mais votado de 15 nomes, conseguiu 40 votos. Entre eles, estava o nome do titular da extinta Secretaria de Estado para os Povos Indígenas do Amazonas (Seind), Bonifácio José Baniwa.

“Até o momento não fui procurado pelo Governo. Eu esperava que isso acontecesse após a reunião, mas até o momento, não procurou”, relata Raimundo.

No Diário Oficial do Estado (DOE) do dia 11 de março, consta que foram nomeadas 18 pessoas para cargos de diretor administrativo financeiro, diretor técnico, chefe de gabinete, chefe de departamento, gerente e assessor. Bonifácio Baniwa está como diretor-presidente interino da FEI.

“Pra nós, está sendo muito constrangedor. Estamos esperando por uma resposta do Governo há mais de um ano [desde que a Seind foi extinta com a reforma administrativa]. O que se percebe é que o governador tem alguma razão para não nomear o gestor da FEI, mas para nós está sendo difícil. Sabemos que eles têm os problemas deles, mas eles também devem entender que nós somos povos e também temos os nossos problemas”, acrescenta.

Gelson Tikuna, mora na Ilha do Camaleão, no município de Anamã. Na opinião dele, o Governo não está respeitando a vontade dos indígenas amazonenses. “O Governo tem que respeitar a nossa decisão! Nós indicamos o Raimundo Atroari para presidente da FEI. Mas até agora o Governo não o nomeou”, diz.“Estamos prejudicados porque temos projetos de piscicultura, agricultura e esporte parados”, revela sobre iniciativas que dependiam de incentivos da Seind.

Com forte sotaque, o tuxaua Levi Feya, da etnia Hexkaryana, também avalia a situação como negativa para as 11 comunidades das etnias Hexkaryana, Waiwai e Xaréu que representa. “Todos os parentes escolheram o nome do Raimundo Atroari. O Governo tem que entender a nossa demanda”.

A reportagem do Portal Amazônia procurou o governador do Amazonas por meio da Secretaria de Estado de Comunicação (Secom), mas até o fechamento desta matéria não obteve resposta.

Fonte: Portal Amazônia

Deixe um comentário