Audiência pública discute criação de corredor ecológico em Manaus

A criação do corredor ecológico da reserva Florestal Adolpho Ducke/Puraquequara foi aprovada, por unanimidade, nesta sexta-feira (8) em audiência pública realizada pela Sema (Secretaria de Estado do Meio Ambiente). A ação ocorreu no CTA (Centro de Treinamento Agroflorestal) do Musa (Museu da Amazônia), localizado no quilômetro 15 do ramal do Uberê, no bairro Puraquequara, na zona Leste de Manaus.

O evento reuniu interessados no processo desde pesquisadores a órgãos parceiros, além de OSCs (Organizações sociais civis) e a população que reside no entorno da área. Todos votaram a favor da criação do corredor. Os trabalhos foram coordenados pelo Degat (Departamento de Gestão Ambiental e Territorial) da Sema. Segundo o secretário adjunto da Sema, Luís Andrade, o próximo passo é regulamentar a aprovação em lei e implementar criando o conselho gestor do corredor.

O processo para a criação do corredor Ducke/Puraquequara vem sendo discutido constantemente pela equipe de técnicos da Sema e exigindo um trabalho criterioso para delinear as ações necessárias para criação da conectividade das áreas. Diversas reuniões e visitas foram feitas para fazer o levantamento de dados físicos, biológicos e geográficos da área, além da análise de pontos georreferen-ciados das características do uso e ocupação da terra.

O levantamento da Sema reforçou o fato que a área desempenha importante função ecológica, como fonte de espécies colonizadoras para os fragmentos que estão próximos a ela, por ser ainda conectada com a floresta contínua. O relatório de caracterização ambiental da área, feito pela Sema, evidencia que, caso não seja criado o corredor ecológico, a área pode ser impactada pela expansão da cidade e se tornar mais um fragmento isolado A área proposta para criação do corredor ecológico Ducke/ Puraquequara possui 1.143 quilômetro. O perímetro está localizado na zona de expansão urbana da cidade, dentro dos limites da Área de Proteção Integral Adolpho Ducke, começando nos limites da Reserva Experimental Adolpho Ducke e se estendendo até o rio Puraquequara. A área pode ser acessada via fluvial (pelo rio Negro ao rio Puraquequara) e terrestre (pelo ramal Agua Branca, na AM-010).

Conforme Luís Andrade, o orredor é estratégico para a conservação da área e consequentemente a conservação da biodiversidade do local. A área sofre constante pressão gerada pela expansão urbana de Manaus onde há presença de plantações, criações de animais e extração de areia, mas que ainda apresenta vegetação densa e vida animal diversa.

Respaldo

A proposta do corredor ecológico segue recomendação do MPF (Ministério Público Federal) para criação de limites de conectividade do local, observando a realização de consultas públicas com a participação da população do entorno da área O processo está respaldado em um teimo de compromisso assinado pela Sema, MPF, comissão técnica instituída pelo Inpa (Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia) e as Centrais Elétricas do Norte do Brial S. A (Eletro-norte), observando a construção da linha de transmissão Jorge Teixeira/Lechuga.

Fonte: Jornal do Commercio

Deixe um comentário