No AP, 150 barracos são retirados de área de preservação ambiental

Árvores teriam sido cortadas ilegalmente e lago estaria sendo prejudicado.Área de Preservação Permanente fica no bairro Sol Nascente, em Macapá.

Cerca de 150 barracos construídos em uma Área de Preservação Permanente (APP) localizada no bairro Sol Nascente, na Zona Norte de Macapá, foram desmontadas na manhã desta terça-feira (26). O local teria sido invadido e os moradores estariam provocando danos ao meio ambiente.

Representantes do Município e do Estado, além da Polícia Militar e Guarda Municipal participaram da ação. A Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semam) recebeu uma denúncia na segunda-feira (25) de que a área havia sido invadida.

“Hoje nós estamos unidos para preservar essa área. Houve planejamento e, para não trazer danos, a ação está sendo feita agora. Estão sendo retiradas todas as construções que estejam descaracterizando a área, ou seja, que representam uma invasão”, disse o agente ambiental da Semam, José Cardoso.

As equipes constataram crimes ambientais como o corte ilegal de árvores e a ocupação de regiões alagadas. Na região de preservação ambiental existe um lago e a área seria particular, informou a Semam.

O pastor Fernando da Silva, de 42 anos, disse que apoia a invasão. Segundo ele, a área é usada para a prática de diversos crimes e falta cuidados do poder público.

“Já aconteceram muitas coisas aqui. Negociamos que o pessoal vai retirar a madeira, não é preciso meter o trator, mas vamos continuar na terra porque o crime ambiental é onde está a construção. Ficamos na terra até alguma autoridade tomar conhecimento da situação e ajudar o pessoal aqui que precisa de uma casa para morar”, disse o pastor.

A Guarda Municipal informou que vai fazer rondas na região para evitar novas invasões e outros crimes.

“Vamos ficar fazendo patrulhamento até que a coisa seja resolvida aqui. A gente tem que ficar monitorando constantemente, porque senão eles voltam a invadir aos fins de semana ou no período noturno, quando fragiliza a fiscalização”, explicou o comandante da Guarda, coronel Ubiranildo Macedo.

A ação de desocupação foi organizada pela Semam, juntamente com a Polícia Militar do Amapá (PM), Guarda Municipal, Instituto de Licenciamento e Ordenamento Territorial do Amapá (Imap) e Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitacional (Semduh).

Fonte: G1

Deixe um comentário