Mananciais de água potável estão em risco por causa de crimes ambientais

Massificação de invasões, supressão vegetal e degradação ao meio ambiente colocam em risco os principais mananciais de água potável

As constantes invasões a Áreas de Preservação Permanente (APP), que estão perto ou não de igarapés, sem estudo prévio ou autorização dos órgãos competentes, podem afetar gradativamente os rios Branco e o Cauamé, principais mananciais de água potável de Boa Vista. Ambos também servem como fonte de lazer para inúmeras famílias do Estado, como possuem parcela ambiental, agindo como termorreguladores das áreas urbanas.

Segundo o professor do curso de Geologia e especialista em recursos hídricos da Universidade Federal de Roraima (UFRR), Vladimir de Souza, os rios e igarapés têm funções essenciais para a temperatura da cidade. O rio Cauamé é o afluente do rio Branco, o principal de Boa Vista, e que corta vários municípios até o Sul do Estado.

Os bairros mais próximos de rios e igarapés que têm mata ciliar bem preservada possuem um clima diferenciado dos mais afastados. “Se uma invasão ou algum crime está sendo feito dentro de uma APP, a ação pode afetar a mata ciliar e, consequentemente, estar alterando o seguimento do rio. A partir da distância e profundidade que a atitude esteja sendo realizada, em época de cheia vai ocorrer algum problema”, analisou o especialista.

Os igarapés são as áreas mais afetadas por crimes ambientais. Conforme Vladimir de Souza, o Cauamé possui dois igarapés que deságuam diretamente nele: o Igarapé Frasco, que nasce na região da Base Aérea e passa ao lado do Pátio Roraima Shopping, no bairro Cauamé, zona Norte; e o Igarapé Caranã, que nasce no bairro Senador Hélio Campos, zona Oeste, e atravessa mais de dez bairros para desaguar no rio Cauamé, no bairro Caranã.

O rio Branco, por sua extensão, tem quatro igarapés urbanos que nele deságuam e que, em sua maioria, já possuem a nascente comprometida perante o desenvolvimento da cidade: o Igarapé Mirandinha, com nascente no Lago dos Americanos, no Parque Anauá, bairro dos Estados, zona Norte; o Igarapé Pricumã, que hoje possui a nascente parcialmente aterrada, no bairro Asa Branca, zona Oeste; o Igarapé Caxangá, que nascia próximo de onde está localizada a praça Ayrton Senna, no Centro; e o Igarapé Grande, que nasce próximo à área do bairro Senador Hélio Campos, na zona Oeste.

Por: Ana Gabriela Gomes
Fonte: Folha de Boa Vista

Deixe um comentário