Chineses podem comprar distribuidora de energia

Gigantes estatais State Grid e a China Three Gorges estão entre as interessadas no mercado de distribuição do AM

Com a desistência da Eletrobras de atuar no mercado de distribuição de energia elétrica em seis Estados brasileiros, a concessionária no Amazonas pode ser comprada por gigantes estatais chinesas, as quais têm feito altos investimentos no país. Mas, ao mesmo tempo que se tem um alívio sobre possíveis compradores dos ativos abertos como a Eletrobras Distribuição Amazonas, há as preocupações quanto aos riscos da privatização.

Na semana passada, os acionistas da Eletrobras reprovaram a prorrogação de concessões e aprovaram a transferência do controle acionário das empresas de distribuição nos Estados do Amazonas, Acre, Rondônia, Roraima, Piauí e Alagoas. A decisão, que abriu as portas para a privatização do serviço, foi acompanhada pelo voto do governo interino de Michel Temer durante a 165ª Assembleia Geral Extraordinária (AGE).

As gigantes estatais chinesas State Grid e a China Three Gorges (CTG) estão entre as interessadas no mercado de distribuição de energia no país, segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas do Estado do Amazonas (Stiu/AM), Edney Martins. “Hoje, no país, as chinesas são as que demonstram mais agressividade nos investimentos do setor e possivelmente vão querer comprar a Distribuição Amazonas”, disse.

A China Three Gorges (CTG) já possui ativos no segmento no Brasil. Ela é controladora indireta das distribuidoras do grupo EDP, de São Paulo, desde 2013. Nos últimos anos a companhia investiu no país, aproximadamente, R$ 15 bilhões no setor, em hidrelétricas, e hoje também mira o mercado de geração de energia eólica.

No começo de julho, a State Grid demonstrou ao mercado o interesse de adquirir mais ativos no mercado de energia do Brasil, após a compra de 23% da CPFL Energia, de São Paulo. Ela já investe no segmento de transmissão no país desde 2011, e anunciou aporte na ordem de R$ 15 bilhões para investir no setor nos próximos anos.

Riscos

Apesar do poder de compra das chinesas, segundo Martins, há preocupação quanto aos efeitos da venda da empresa de distribuição no Amazonas, a começar pela possível demora no fechamento das negociações.

“Com a Eletrobras lavando as mãos, não será feito mais aporte nenhum para o Estado, e o fato dela ser uma empresa defi citária, a falta de energia é certa, porque não se terá recursos para manter o combustível”, avaliou.

Quanto ao processo de privatização, o sindicalista observou que as empresas que estão se habilitando para a compra querem investir em Manaus, onde elas terão retorno com o serviço, por se tratar de uma metrópole. Contudo, ela apontou que por se tratar de empresas privadas, elas não vão querer investir no interior, porque é de conhecimento púbico que o serviço nessas regiões não dá retorno fi nanceiro a contento. “Do ponto de vista do investimento, sabemos que o interior não tem retorno fi – nanceiro e ela poderá sofrer um colapso”, disse Martins.

A CTG comunicou, por meio da sua assessoria, que “está sempre atenta às oportunidades de fusões e aquisições e desenvolvimento de novos empreendimentos de energia hidrelétrica, eólica e solar no Brasil”. Contudo, informou que “não comenta especifi camente sobre rumores de mercado”.

A assessoria da State Grid disse que a empresa também não comenta sobre o mercado e que não conseguira dar um posicionamento ontem (25).

Decisão da Eletrobras é questionada

A decisão da Eletrobras foi questionada, por meio de ofício encaminhado pela Superintendência de Relações com Empresas (SEP) da Comissão de Valore Mobiliários.

A SEP pediu explicações sobre a “veracidade” da decisão, que é o primeiro passo para deixar o mercado de distribuição de energia no país. A SEP pediu ainda explicações sobre os motivos pelos quais a Eletrobras “entendeu não se tratar de um fato relevante” a transparência sobre a decisão.

No seu site, a Eletrobras disse que um comunicado do mercado à pauta decidida na 165ª AGE foi objeto de edital divulgado previamente ao mercado, conforme determina a legislação aplicável.

“Ante a todo o exposto, a notícia em referência não traz conteúdo que já não havia sido objeto de prévia divulgação ao mercado pela companhia, por meio dos canais adequados”, disse o texto do comunicado da Eletrobras.

Recursos

A companhia lembrou que, até a transferência da distribuidora para o novo controlador, a distribuidora deverá receber diretamente da União, ou por meio de tarifa, todos os recursos e remuneração necessários para operar, manter e fazer investimentos que forem relacionados aos serviços públicos da respectiva distribuidora.

Para a empresa, desta forma, ela manterá o equilíbrio econômico e fi – nanceiro da distribuidora, sem qualquer aporte de recursos, a qualquer título, pela Eletrobras.

Fonte: Amazonas em Tempo

Deixe um comentário