Ex-prefeito Adail aposta no filho para a prefeitura

Empresário Adail José Figueiredo, filho do ex-prefeito Adail Pinheiro, figura como pré-candidato a prefeito de Coari

Mesmo preso, o ex-prefeito Adail Pinheiro mantém ativo o seu grupo político que aposta no nome do filho dele, Adail José Figueiredo, conhecido como “Adail Filho”, para retomar o comando do Município de Coari. O rebento de Adail circula pela cidade como pré-candidato no duelo eleitoral contra o atual prefeito Raimundo Magalhães (Pros), que concorre à reeleição.

Mais rico município do interior do Estado do Amazonas, Coari (a 370 quilômetros de Manaus) recebeu R$ 203,11 milhões, fruto do pagamento de royalties pela exploração de petróleo e gás na bacia de Urucu, apenas no período de 2014, 2015 e 2016.

No dia 30 de junho, uma mostra do clima de campanha foi dada na chegada de Adail Filho no aeroporto do município. Um morador, que preferiu não se identificar, afirmou que “a população dá sinais de que está insatisfeita com os administradores que comandaram o município após a prisão de Adail”.

“Mesmo com todas as acusações que pesam contra ele (Adail Pinheiro) e as pessoas que se acompanhavam dele, é comum na conversa com os moradores o descontentamento com todos que passaram pela administração da cidade depois que ele foi preso. As pessoas ainda dão sinais de saudades, apesar das acusações”, contou.

Raimundo Magalhães, através da assessoria, divulgou um vídeo em que confirma que virá para a reeleição. “Sem dúvida sou pré-candidato. Quero deixar claro que só estou aguardando o início das convenções (a partir do dia 20 de julho e termina no dia 5 de agosto) para que a gente confirme essa candidatura, que se Deus quiser, será vitoriosa”, diz o prefeito.

PARENTE

Um terceiro nome surge também como pré-candidato a prefeito de Coari: Ademilson Mi-touso, irmão do ex-prefeito Arnaldo Mitouso, condenado em 2011 pelo Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas (TJ-AM) pelo assassinato, em 1995, do então prefeito de Coari Odair Carlos Geraldo. Após recurso, a segunda instância da Corte manteve a decisão em 2012.

Adail Pinheiro se entregou à Justiça em fevereiro de 2014, depois que o desembargador Djal-ma Martins emitiu um decreto de prisão a pedido do Ministério Público Estadual (MPE) em um processo que apura a suposta prática de exploração sexual de crianças. O caso ganhou repercussão nacional por conta de matérias veiculadas pelo Fantástico, em três domingos seguidos, mostrando relatos de meninas apontadas como vítimas do então prefeito de Coari. E pelas apurações feitas pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), da Câmara Federal, que apurou denúncias de exploração sexual de crianças e adolescentes em todo o País.

A reportagem tentou entrar em contato com Adail Filho, através dos telefones 984xxxx53 e 984xxxx05, mas não foi atendida até o fechamento desta reportagem.

Saiba mais

Condenado

No dia 18 de novembro de 2014, Adail foi condenado pelo TJ-AM a 11 anos e dez meses de prisão por exploração sexual de menores, além da perda do mandato e a transferência para presídio comum. Até hoje ele encontra-se no Quartel de Policiamento Especial da PM, no bairro Dom Pedro.

Em números

70 Processos. É o número de ações em que o ex-prefeito de Coari, Adail Pinheiro, figura como réu na Justiça do Amazonas. Em quatro deles, o ex-prefeito aparece como investigado por envolvimento em esquema de exploração sexual infanto-juvenil.

Por: Janaína Andrade
Fonte: A Crítica

Deixe um comentário