Inpa registra diversidade de fungos aquáticos nos rios de água preta no Amazonas

Os fungos aquáticos são importantes como decompositores das madeiras e folhas dentro dos ambientes aquáticos e servem como alimento para pequenos crustáceos e peixes

Estudo realizado no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC) mostrou que existe uma grande biodiversidade fúngica de água doce em ecossistemas de águas pretas, boa parte desses fungos ainda é desconhecido pela ciência. A pesquisa registrou 264 indivíduos de fungos, compreendendo 25 táxons (espécies e subespécies) presentes em lagos e igarapés no Amazonas.

O trabalho é resultado da tese de doutorado da técnica do Inpa, a bióloga Ana Cláudia Cortez, no Programa de Pós-Graduação da Rede de Biotecnologia e Biodiversidade da Amazônia Legal (PPG-Bionorte/Universidade Federal do Amazonas – Ufam). O estudo foi orientado pelo pesquisador do Inpa, o doutor em biotecnologia industrial, João Vicente Braga de Souza. Os resultados do trabalho foram publicados recentemente no Journal of Food, Agriculture&Environment.

De acordo com Souza, os fungos aquáticos são importantes como decompositores das madeiras e folhas dentro dos ambientes aquáticos e servem como alimento para pequenos crustáceos e peixes. “Em rios escuros, como o rio Negro, eles fazem o papel das algas do mar, servindo como base da cadeia alimentar”, explica. “Apesar da grande importância biológica desses fungos, poucos trabalhos foram realizados para estudar a sua diversidade”, destaca.

De acordo com o pesquisador, o trabalho também comparou a influência da estação chuvosa e não-chuvosa na biodiversidade da comunidade fúngica em um pequeno lago de água preta, o Parque das Águas San Raphael, que fica na Rodovia Monoel Urbano (AM-070/ Manaus-Manacapuru), no Amazonas.

A comunidade de fungos em substratos lenhosos durante os meses chuvosos foi comparada com meses não-chuvosos e tinha um índice de similaridade de 0,6842. O índice de diversidade foi maior nos meses chuvosos (2,6012) do que nos meses não-chuvosos (2,1296). Isso pode estar relacionado com a sazonalidade dos meses de chuva, por conta do fenômeno de lixiviação nesse período.

Para a realização da pesquisa, foram coletadas madeiras em decomposição, levadas para o laboratório, incubadas sob condições adequadas e, semanalmente, durante seis meses, observou-se os fungos que surgiram para fazer o processo de classificação e identificação.

Para Cortez, que defendeu uma tese especificamente dedicada à diversidade de fungos aquáticos, entre os resultados mais interessantes destacam-se que os rios e lagos da Amazônia apresentaram uma diversidade de fungos muito grande e desconhecida. “Aproximadamente metade dos fungos encontrados não puderam ser classificados e identificados”, conta Cortez.

Segundo Cortez, os fungos encontrados nas estações chuvosas e não-chuvosas são diferentes, e que coletar a madeira diretamente do rio ainda é a melhor forma de amostragem.

Cooperação

A tese é fruto de um trabalho de cooperação entre o Inpa e pesquisadores da Universidade de Illionois (Estados Unidos), os doutores Huzefa Raja, Andrew Miller, Carol Shearer e Seteven Zelski.

“Sem essa cooperação, o trabalho não teria a mesma qualidade”, ressalta Cortez. O Dr. Zelski, por exemplo, ficou 45 dias no Amazonas e treinou a equipe do Laboratório de Micologia do Inpa, quanto à coleta, observação e identificação dos fungos aquáticos.

As pesquisas continuam com a doutoranda Eveleise Samira, do PPG-Bionorte, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam). Ela está realizando coletas de madeiras na calha do rio Tapajós, no Pará.

Na nova fase do trabalho, o Laboratório de Micologia do Inpa está focado em investigar a produção de antibacterianos por esses fungos. “O ambiente aquático da Amazônia é muito competitivo, diverso e existe grande chance de encontrarmos fungos produtores de novos antimicrobianos”, destaca Souza.

Fonte: INPA

Deixe um comentário