PJC prende 4 por extração ilegal de madeira

Quatro pessoas foram presas pela Polícia Judiciária Civil na manhã de terça-feira (05), em uma operação contra crimes a extração ilegal de madeiras no município de Brasnorte (579 km a Noroeste).

A investigação foi realizada pela Delegacia de Polícia de Campo Novo dos Parecis (396 km a Noroeste).

O cozinheiro, Dionatan Aparecido Roque de Brum, 21, juntamente com Eugenio Marcus Riatto, 38, Gilmar Pereira da Silva, 41, e José Roberto dos Santos, 39, foram autuados em flagrante por furto e crime ambiental tipificado no artigo 39 da Lei 9.605/98 (cortar árvores em floresta considerada de preservação permanente, sem permissão da autoridade competente).

Eugenio irá responder também pelo crime de porte ilegal de arma de fogo, e Dionatan autuado ainda em termo circunstanciado de ocorrência (TCO) por uso de droga.

As prisões decorreram do trabalho para apurar denúncia de furto, grilagem de terra e desmatamento nas proximidades da Gleba Tibaji, localizada na divisa de áreas indígenas, a cerca de 200 quilômetros da cidade de Campo Novo dos Parecis.

Em diligências na região, que já é conhecida por conflitos de terras, a Polícia Civil conseguiu flagrar os quatro homens cortando árvores e extraindo diversas espécies de madeira nativa.

Com eles foram apreendidos um trator, duas motosserras, um caminhão, uma arma de fogo, e uma pequena porção de maconha.

No local também foi encontrada grande quantidade de toras de madeira retiradas ilegalmente da floresta.

Os suspeitos foram conduzidos à Delegacia de Polícia de Brasnorte, interrogados pelo delegado de polícia Adil Pinheiro de Paula e autuados em flagrante por furto e crime contra o meio ambiente.

´As toras de madeiras apreendidas serão periciadas para identificação do tipo e espécies, quantidade e metragem´, destacou o delegado.

Os quatro homens foram apresentados ao juízo competente e aguardam na Delegacia vaga em uma unidade prisional na região.

No mês passado, uma madeireira localizada no município de Confresa, a 1.160 km de Cuiabá, foi fechada pela polícia nesta quarta-feira (8), por exploração de madeira sem autorização da Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema). Durante essa operação, quatro funcionários da madeireira foram presas, segundo a Polícia Militar. (Com Assessoria/PJC-MT).

Fonte: Diário de Cuiabá

Deixe um comentário