Palco do Amazônia Live será reciclado para virar ecobags do Rock in Rio

Arquiteto contou que intenção foi fazer folha que representasse o mundo. Arquiteto contou que intenção foi fazer folha que representasse o mundo.

O palco em forma de folha projetado exclusivamente para o Amazônia Live será desfeito e se transformará em “ecobags” da marca Rock in Rio. Segundo o idealizador do espaço, o arquiteto João Uchôa, o formato de folha surgiu para que a identificação da campanha de reflorestamento fosse imediata e compreendida por qualquer pessoa. O evento foi realizado no sábado (27) e contou com a presença da Orquestra Amazonas Filarmônica, Plácido Domingo, Saulo Laucas, Ivete Sangalo e Andreas Kisser.

Uchôa conta que ao receber a ligação de Roberto Medina falando sobre a campanha e explicando que o palco seria um flutuante para comportar uma orquestra, pesquisou uma imagem de folha flutuando na água e enviou para o empresário. A ideia foi aprovada de imediato e, a partir daí, o desafio era fazer uma folha que representasse a universalidade da campanha.

“Tinha que ser uma folha única, a gente não escolheu uma espécie específica. A gente queria uma folha que representasse o que é a floresta. Então, juntamos 20 espécies vegetais e fizemos vários rabiscos. Chegamos a conclusão que essa era uma folha única e representaria a universalidade do projeto, não é uma folha só da Amazônia, só do Brasil. Ela tinha que criar esse impacto visual e acho que ela conseguiu”, disse o arquiteto.

De acordo com Uchôa, o palco tem 1.500 metros quadrados e pesa seis toneladas. A elaboração da lona durou três meses e a montagem levou 20 dias para ser finalizada.

Todo o material utilizado na produção do palco será reutilizado. A lona foi pintada à mão e produzida no Rio de Janeiro. Depois de desmontada, o material será reciclado e usado na confecção de bolsas e carteiras da marca Rock in Rio. Os ferros da estrutura devem ser reutilizados em outras produções.

Cunho socioambiental

A meta do projeto é plantar pelo menos um milhão de árvores na região das cabeceiras do Xingu. O plantio inicia em outubro de 2016 e terá mais uma etapa em 2017, após o Rock in Rio, segundo informações do gerente de projetos do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio), Alexandre Ferrazoli.

“É um grande evento com uma repercussão mundial e o envolvimento de formadores de opinião. Somente para o plantio dessa primeira etapa, estão envolvidos R$ 3 milhões da iniciativa privada. O Rock in Rio Lisboa captou recursos na faixa de 40 mil euros. Vão ter captações até 2017 para mais recursos e plantio de árvores. A meta é chegar em quatro milhões de mudas plantadas até 2020”, disse Ferrazoli.

O trabalho nas cabeceiras do Xingu é coordenado pelo Instituto Sócio Ambiental (ISA) e envolve 15 municípios do Mato Grosso.

Fonte: G1

Deixe um comentário