Desmatamento na Amazônia cresceu 24% de 2014 para 2015

Desmatamento em Lábrea.  Foto de Alberto César Araújo.
Desmatamento em Lábrea. Foto de Alberto César Araújo.

Dados do próximo relatório oficial do Inpe mostram que a devastação na região voltou a crescer.  O Pará foi o estado campeão

Dados do próximo relatório oficial do Instituto Nacional de Pesquisas mostram que o desmatamento na Amazônia cresceu 24% de 2014 para 2015. Os números são do Prodes, Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal.

Os dados devem ser divulgados oficialmente num seminário do Ministério do Meio Ambiente nos dias 5 e 6 de outubro. Eles revelam que no período de agosto de 2014 a julho de 2015, foram desmatados 6.207 quilômetros quadrados. O estado que mais desmatou foi o Pará. Seguido de Mato Grosso e Rondônia.

O total de desmatamento no período está 6,45% acima do estimado pelo Inpe no fim de novembro.  Ou seja, o quadro é pior do que se imaginava.

A taxa mostra que a fase de queda no desmatamento da Amazônia pode ter chegado ao fim.  As políticas que levaram à queda podem já ter perdido sua eficácia.  Agora, parece que estamos passando por uma nova fase de aceleração do desmatamento.

serie_historica_desmatamento
A série histórica do desmatamento desde 1988 mostra que o período de queda pode ter chegado ao fim (Foto: reprodução)

Numa comparação com o mesmo período do ano anterior, nem todos os estados da Amazônia tiveram aumento do desmatamento. O quadro piorou mais em Rondônia, onde o desmatamento cresceu 51% de 2014 para 2015. Em Mato Grosso, o aumento foi de 49%. No Amazonas, 42%. O Pará, estado campeão em área total desmatada, cortou 14% a mais do que no período anterior.

O desmatamento caiu em Roraima, Amapá, Maranhão e Acre. Mas a queda nesses estados não compensou o aumento nos outros.

Tabela do relatório do Inpe mostra a variação no desmatamento por estado entre 2014 e 2015 (Foto: reprodução)
Tabela do relatório do Inpe mostra a variação no desmatamento por estado entre 2014 e 2015 (Foto: reprodução)

Por: Alexandre Mansur
Fonte: Blog do Planeta

Deixe um comentário