Phelippe Daou acumula lutas pelo desenvolvimento da Amazônia

Trajetória do jornalista reúne iniciativas pra integrar a região. Fundador da Rede Amazônica morreu nesta quarta-feira (14).

Phellipe Daou se pronunciou durante o 4º aniversário da Rede Amazônica (Foto: Arquivo/Rede Amazônica)
Phellipe Daou se pronunciou durante o 4º aniversário da Rede Amazônica (Foto: Arquivo/Rede Amazônica)

O jornalista e fundador da emissora Rede Amazônica, Phelippe Daou, morreu nesta quarta-feira (14) aos 87 anos. Destes 44 anos foram dedicados à comunicação no Norte do País. Sua trajetória ficou marcada pela defesa do desenvolvimento da Amazônia e da preservação da identidade regional.

O jornalista e empresário nasceu em Manaus, no dia 15 de dezembro de 1928. Muito cedo ainda, iniciou no jornalismo, como repórter do Jornal do Comércio, mas a ascensão na carreira começaria um ano depois, com sua transferência para a empresa Archer Pinto, proprietária, na época, de O Jornal e Diário da Tarde, onde exerceu diversas funções redacionais. Atuou ainda como redator da Rádio Rio Mar.

Consciente do que queria, dividiu com os amigos Milton Cordeiro e Joaquim Margarido a criação, em 1972, da maior rede de comunicação do Norte e uma das maiores do país. A missão número um da Rede Amazônica – amplamente propagada por Phelippe Daou – se baseia no propósito de ocupar e integrar a Amazônia.

Defensor da região, Phelippe Daou liderou campanhas, destacando-se entre outras: a implantação da “Universidade do Amazonas”; o “Aeroporto Eduardo Gomes” e as “Rodovias AM 10” (Manaus–Itacoatiara) e “BR 319” (Manaus–Porto Velho).

Teve participação no levantamento de subsídios para a redação final do texto proposto a Arthur Amorim, visando à implantação da Zona Franca de Manaus, tarefa que executou como membro da comissão especial da Associação Comercial do Amazonas (ACA).

O jornalista também integrou, entre os anos de 2008 e 2010, o Conselho de Administração da Fundação Amazonas Sustentável (FAS), contribuindo para a definição da estratégia de ação da instituição para a melhoria da qualidade de vida de comunidades ribeirinhas no interior do Estado.

“Phelippe Daou foi um notável brasileiro que atuou em prol de uma Amazônia mais próspera, justa e sustentável. Criou uma linha editorial diferenciada, que dava voz aos diferentes atores e segmentos da região, com um alcance global. Era um entusiasta da conservação ambiental e abraçou diversas causas, campanhas e instituições de toda a Amazônia. Deixa um legado de grande valor para a história e o futuro da Amazônia”, destacou Virgilio Viana, superintendente-geral da FAS.

Fonte: G1

Deixe um comentário