Policiais fazem barreiras em estradas de acesso a garimpo invadido em MT

Homens armados ocuparam a área e polícia tenta forçá-los a deixar o local. Local que ficou conhecido como ‘Nova Serra Pelada foi ocupado pela 3ª vez.

Policiais revistam veículos que passam em estradas de acesso a garimpo (Foto: Reprodução/TVCA)
Policiais revistam veículos que passam em estradas de acesso a garimpo (Foto: Reprodução/TVCA)

Policiais do Grupo de Operacões Especiais (GOE) montaram barreiras nas estradas de acesso ao garimpo ilegal na Serra da Borda, em Pontes e Lacerda, a 483 km de Cuiabá. A área, de propriedade da União, que em 2015 ficou conhecida como “Nova Serra Pelada” devido à quantidade de ouro encontrada, está ocupada desde o início de dezembro passado por homens armados. Os exploradores são considerados de alta periculosidade.

A polícia ainda não entrou no local por falta de reforço da Força Nacional de Segurança e do Exército. No entanto, houve aumento no policiamento nos arredores do garimpo. O objetivo é impedir que os garimpeiros recebam combustíveis, alimentos e até armas. A estratégia da polícia é isolar o grupo e enfraquecer a logística de extração ilegal de ouro, forçando que se rendem.

Também foram feitas algumas prisões desde o início deste mês. Segundo a Polícia Civil, cerca de 10 pessoas foram presas por invasão ao garimpo entre os dias 6 e 10 deste mês. A polícia informou que os presos são de outros estados e que vão responder por extração ilegal de ouro e crime de desobediência. A Justiça Federal já havia determinado que a exploração aurífera no local não pode ser feita sem a autorização do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM).

A Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp) informou que pode fazer a desocupação da área a qualquer momento e diz que contará com o apoio da força nacional para monitorar a área e evitar novas invasões.

Esta é a quarta vez desde 2015 que os garimpeiros ocupam ilegalmente a Serra da Borda, também conhecida como Serra do Caldeirão.

No início deste mês, o Ministério Público Federal e o Ministério Público Estadual entraram com um pedido de liminar, para a desocupação imediata da área. A ação cobra também uma indenização do governo federal de R$ 500 milhões por danos sociais, ambientais e morais coletivo pela sensação de insegurança na cidade.

Na primeira invasão, em setembro de 2015, garimpo chegou a ter 8 mil pessoas (Foto: Divulgação/PM)
Na primeira invasão, em setembro de 2015, garimpo chegou a ter 8 mil pessoas (Foto: Divulgação/PM)

Existem dois pedidos de licenciamento ambiental para a exploração da área em tramitação na Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema). Um deles foi feito por uma mineradora que já tem alvará de pesquisa mineral abrangendo toda a área da serra, expedido pelo DPNM. Outro quer a permissão de lavra garimpeira de uma faixa de 10 metros de largura.

A Serra da Borda começou a ser ocupada em setembro de 2015 com a descoberta de jazidas de ouro. Após a fama de “ouro fácil” se espalhar, principalmente pelas redes socias, cerca de oito mil pessoas foram para a área.

Depois disso, a Justiça Federal determinou duas vezes que a área fosse desocupada. A reintegração do local foi feita duas vezes, em ações integradas por forças de segurança do estado e do governo federal.

Fonte: G1

Deixe um comentário