ICMBio faz pesquisa de campo em duas Ucs em Roraima

Objetivo é acelerar processo de regularização fundiária e subsidiar o planejamento da gestão e as ações de prevenção a incêndios florestais nas estações ecológicas de Caracaraí e Niquiá

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) está realizando levantamento de campo nas estações ecológicas (Esec) de Caracaraí e Niquiá, no município de Caracaraí, em Roraima.

Os trabalhos, que começaram no dia 23 de janeiro, se estenderão até o dia 15 deste mês, O objetivo é atualizar as informações sobre as ocupações e posses rurais existentes nas duas unidades de conservação.

Em janeiro, foi realizada ação preventiva de combate a incêndios florestais nessas áreas. É exatamente nas ocupações e posses rurais onde se originam a maioria dos incêndios florestais ocorridos nas duas unidades

Os trabalhos contam com apoio do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa) e parceria da Superintendência de Patrimônio da União (SPU) em Roraima, Exército e Fundação Estadual do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Femarh).

Ocupações

A Esec de Caracaraí foi criada pelo Decreto Federal 87.222, de 31 de maio de 1982, e teve a sua área reduzida pelo Decreto Federal 91.306, de 3 de junho de 1985, que instituiu a Esec de Niquiá. A redução ainda não foi consolidada por necessidade de lei específica que revalide o segundo ato.

Essa situação fez com que, ao longo do tempo, surgissem diversas ocupações na área original da Esec Caracaraí.

O levantamento de campo busca atualizar as informações sobre as ocupações existentes para auxiliar no processo de regularização fundiária das Ucs, além de subsidiar o planejamento e execução das ações de prevenção e combate aos incêndios florestais nos períodos de estiagem.

Ao final do trabalho, serão produzidos relatórios técnicos das instituições envolvidas e compilação dos dados em sistema de informação geográfica (SIG), além de um banco de dados com identificação dos ocupantes da área.

“Esse trabalho se torna imprescindível também para identificação e responsabilização por práticas de infrações e ilícitos ambientais nas duas unidades de conservação”, disse Wilton Venâncio, analista ambiental da Estação Ecológica Niquiá.

Fonte: ICMBio

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.