Arco, flecha e bombas de gás no ato indígena por novas demarcações

Grupos de várias etnias tomam gramado da Esplanada dos Ministérios em protesto em Brasília nesta quarta-feira

Centenas de indígenas de várias etnias protestaram em Brasília nesta quarta e foram reprimidos por agentes da policiais. Eles tentavam depositar caixões representando líderes do movimento mortos nos últimos anos no espelho d’água do Congresso e e tentaram ingressar na sede do Legislativo sem a autorização. Foram recebidos com bombas de gás lacrimogêneo e spray de pimenta. Foto: GREGG NEWTON/ REUTERS
Os indígenas estão reunidos em Brasília no Acampamento Terra Livre (ATL), uma mobilização anual que reúne várias etnias. O mote de 2017 é pressionar por mais demarcações de terras e protestar contra o que consideram ser o enfraquecimento da Funai. GREGG NEWTON / REUTERS
As lideranças indígenas dizem que o protesto, que contou, de acordo com os organizadores, com 3.000 pessoas, teve a participação de idosos e crianças. GREGG NEWTON / REUTERS
O protesto tumultuou a rotina em Brasília enquanto, na Câmara, avançava o texto da reforma trabalhista. Foto: EVARISTO SA / AFP
Enquanto parte dos indígenas usava arco e flecha, agentes policiais lançaram gás lacrimogêneo. EVARISTO SA / AFP
Manifestantes carregam caixões simbolizando lideranças mortas nos últimos anos. EVARISTO SA / AFP
Governo Temer recebe pressão da bancada ruralista, que o apoia, para enfraquecer a Funai. Foto: JOÉDSON ALVES/ EFE
Parte da zona ficou coberta com a nuvem de gás. UESLEI MARCELINO /REUTERS

Fonte: El País

Deixe um comentário