Após sair do isolamento, índios visitam cidade no Acre pela primeira vez

Grupo chegou a Feijó, no interior do estado, no último sábado (12). Motivação do contato foi para conhecer o mundo branco, diz sertanista, que acompanhou a visita.

Índios de recente contato chegaram a Feijó no sábado (12) (Foto: Gleilson Miranda/Secom-AC)

Três anos após o primeiro contato com outras pessoas, um grupo de cinco índios isolados visitou uma cidade pela primeira vez. Os indígenas – Povo do Xinane, que vivem na fronteira entre Acre e Peru – chegaram a Feijó, distante 366 km da capital Rio Branco, no último sábado (12) depois de uma viagem de mais de 500 km de canoa.

A Fundação Nacional do Índio (Funai) informou que os nomes dos cinco são: Purus, Chirimaku, Hamistar, Hainuno e Kada, entre 15 e 20 anos de idade.

O Povo do Xinane ficou conhecido em 2014, quando fez contato com a comunidade indígena Ashaninka da aldeia Simpatia, no alto rio Envira, nas proximidades de Feijó. Na época, a organização Survival International afirmou que a saída dos índios do isolamento foi motivada pela extração ilegal de madeira na fronteira peruana.

Grupo queria apenas conhecer uma cidade, disse sertanista (Foto: Gleilson Miranda/Secom-AC)
Grupo queria apenas conhecer uma cidade, disse sertanista (Foto: Gleilson Miranda/Secom-AC)

Além de representantes da Funai, a visita da cidade foi acompanhada por um intérprete e o sertanista José Carlos Meirelles. O grupo conheceu a área comercial da cidade e se interessou, sobretudo, por construções, carros e motores, informou a Funai. Segundo Meirelles, a visita durou até a tarde da terça-feira (15).

O motivo do contato, ainda conforme o sertanista, foi conhecer o mundo. “Eles queriam nos conhecer, a cidade, de onde viemos e como é a vida. É um processo natural e toda vez que duas culturas se encontram existem trocas de coisas. As pessoas têm mania de achar que os índios isolados têm que passar a eternidade isolados, mas isso é besteira. Estão conhecendo o mundo”, disse.

A Funai acrescentou que, previamente, foi feita uma conversa sobre riscos epidemiológicos, mas os índios mantiveram a decisão de conhecer Feijó. Uma equipe médica chegou a fazer atendimentos de forma preventiva. Atualmente, existem o Povo do Xinane tem 35 pessoas que moram em Kupixhawas – casas em que moram apenas uma família.

Visita foi acompanhada por representantes da Funai, um intérprete (camiseta cinza) e o sertanista José Carlos Meirelles (camiseta rosa) (Foto: Gleilson Mirada/Secom-AC)
Visita foi acompanhada por representantes da Funai, um intérprete (camiseta cinza) e o sertanista José Carlos Meirelles (camiseta rosa) (Foto: Gleilson Mirada/Secom-AC)
Imagens dos índios isolados divulgadas pela Funai em 2014 (Foto: Divulgação/Funai)
Imagens dos índios isolados divulgadas pela Funai em 2014 (Foto: Divulgação/Funai)

Fonte: G1

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*