‘Abraço’ de apoio ao Museu Goeldi reúne milhares de pessoas, em Belém

Ato reuniu artistas, ambientalistas, pesquisadores e frequentadores do Parque Zoobotânico.

‘Abraço’ reuniur pessoas ao redor do Parque Zoobotânico do Museu Emílio Goeldi (Foto: Dilson Pimentel/ O Liberal)

Milhares de pessoas se reuniram em torno do Parque Zoobotânico do Museu Paraense Emílio Goeldi, em Belém, neste domingo (17), para o ato de abraço à instituição, que atravessa crise financeira e, segundo a direção do espaço, ameaça fechar parte de seus prédios no Pará.

A mais antiga instituição de pesquisa da Amazônia, com 150 anos de funcionamento, sofreu corte de 44% no orçamento para este ano. Em nota, o Governo Federal informou que irá garantir recursos para o funcionamento do Museu.

Risco de fechar

Apesar da afirmação do governo, o fato é que o orçamento da instituição aprovado para 2017, de R$ 12 milhões, teve corte de 44%, mantendo aproximadamente R$ 7,2 milhões. O diretor do Museu, Nilson Gabas Jr, reiterou que, caso não seja revertido o atual quadro orçamentário, a instituição será obrigada, a partir do próximo mês, a fechar duas de suas bases físicas: o Parque Zoobotânico, instalado há 122 anos, e a Estação Científica Ferreira Penna, que funciona há 24 anos na floresta de Caxiuanã.

Entre os reflexos da falta de investimentos para a manutenção dos serviços básicos da instituição, Gabas citou o arrombamento de prédios do Parque Zoobotânico, o mais antigo do gênero no Brasil, que recebe em média 400 mil visitantes por ano e guarda coleções vivas, monumentos e edificações.

“Com R$ 12 milhões eu mantenho a limpeza do banheiro que é aberto durante a semana. Só um banheiro funciona porque não tem quem limpe os outros. Mantenho o funcionamento do Parque às terças, que antes só fechava às segundas e agora também fecha às terças por falta de verba. Com esse dinheiro, voltamos aos patamares adequados de conduções mínimas de segurança e limpeza”, diz.

A importância do Parque Zoobotânico para a cidade foi destacada pela cantora paraense fafá de Belém. “Todos nós fomos criados aqui, é o jardim da nossa casa. Todo o domingo as crianças vinham, todas as classes, as crianças vêm aqui conhecer a arara, entender quem nós somos, de onde viemos, é o nosso álbum de fotografias. É fundamental que a sociedade paraense abrace esse museu. Temos que nos defender, estar espertos e atentos”, disse.

Ator Vitor Fasano veio ao Pará participar do ato em defesa do Museu Goeldi.  (Foto: Dilson Pimentel/ O Liberal)
Ator Vitor Fasano veio ao Pará participar do ato em defesa do Museu Goeldi. (Foto: Dilson Pimentel/ O Liberal)

Sem fomento à ciência

O estímulo à pesquisa também está ameaçado por falta de verba. “Preciso de pelo menos o dobro, R$ 24 milhões, para fazer a contento pesquisa séria nessa instituição”, afirma o diretor do Museu Goeldi. “Os pesquisadores sabem que têm que conseguir recursos através de editais, parceria, rede, recurso internacional”, lamentou.

O ator Vitor Fasano veio ao Pará participar do ato em defesa do Museu Goeldi. “Temos que pesquisar, incentivar pesquisa, sem pesquisa o país não vai pra frente. Como um presidente assina um decreto sem saber o que existe lá, que população, que indígenas, que águas, que animais, que flora?”, criticou Fasano. “Temos que ter embasamento para utilizar da Amazônia de forma sustentável. Temos de defender esse manancial de floresta e de conhecimento que por acaso está no Brasil mas que pertence ao mundo todo. Por isso o Museu Goeldi é fundamental”, concluiu.

A programação contou com a participação de diversos artistas que realizaram shows, de instituições voltadas para a proteção do meio ambiente, e organizações da sociedade civil.

Fonte: G1

Deixe um comentário